Skip to content

Biblioteca Virtual de Saúde da BIREME chega a todos os países lusófonos

III reunião da rede ePORTUGUÊSe, em São Tomé e Príncipe, 2011, na qual se discutiu a ampliação das BVS para todos os países de língua portuguesaO Programa ePORTUGUÊSe cumpriu um de seus objetivos mais importantes: o de trazer a Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) para todos os oito Estados Membros de fala portuguesa da OMS: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, além do Brasil, onde o projeto foi desenvolvido originalmente pela BIREME, o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde, um Centro da OPAS/OMS localizado em São Paulo, Brasil.


O português não é um dos idiomas oficiais das Nações Unidas, mas é o terceiro idioma mais falado no continente americano, depois do espanhol e inglês. Há quase 300 milhões de pessoas que falam português no mundo, e este número continua a crescer à medida que mais e mais pessoas querem aprender o idioma de Camões.

Luís de Camões foi um poeta do século 16 considerado a maior personalidade de Portugal. Ele é às vezes comparado a Shakespeare, Cervantes, Homero e Dante. Sua obra-prima chama-se “Os Lusíadas”, um poema épico representando as viagens portuguesas do descobrimento, razão pela qual algumas pessoas chamam os países de fala portuguesa de “países lusófonos”.

A BVS inclui uma coleção de fontes de informação em saúde que podem ser consultadas gratuitamente, facilitando acesso equitativo e universal.

A BVS organiza a informação de forma a interconectar as bases de dados de referência, diretórios, eventos de saúde, instituições e grupos de discussão em uma rede dinâmica de apoio a  todo o processo de tomada de decisão e  prestação de serviços de atenção em saúde dentro do sistema nacional de saúde.

Hoje, todos os países nas Américas participam direta ou indiretamente dos produtos e serviços cooperativos oferecidos pela BVS, que inclui mais de 2.000 instituições na Região.

Com a cooperação técnica da BIREME do Brasil, o país assumiu a liderança da BVS, oferecendo aos usuários não só uma BVS nacional como mais de 11 Bibliotecas Virtuais de Saúde especializadas dedicadas a atenção básica de saúde, enfermagem, capacitação de técnicos de saúde, doenças parasitárias, psicologia e saúde pública. Outras 12 BVS especializadas estão em desenvolvimento, e se concentrarão nas áreas de adolescência, amamentação materna, economia de saúde e determinantes sociais da saúde.

Os países de fala portuguesa da África podem não ter atingido ainda esta etapa, mas todos eles aderiram ao modelo de BVS.

Adalberto Tardelli, diretor interino da BIREME, disse que "o programa ePORTUGUÊSe ampliou significativamente a cobertura da Rede de BVS como parte da nossa estrutura internacional de cooperação técnica, promovendo a comunicação científica em âmbito local e global.”

Grupo de trabalho durante a III reunião da rede ePORTUGUÊSe, com Alfredo Estado José, chefe da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique, ao centro

Segundo Alfredo Estado José, diretor da Biblioteca Nacional da Saúde de Moçambique, o acesso à informação em saúde oferecido pela BVS “é essencial não só para os profissionais da saúde, gerentes, pesquisadores e responsáveis por decisões como também para a comunidade em geral, que está a cada dia mais envolvida e participante em problemas relacionados com a sua saúde e bem-estar”. Ele está convencido de que a BVS chegou a Moçambique para ficar.

O Programa ePORTUGUÊSe da OMS já existe há sete anos, e transformou-se em uma plataforma para difundir informação em saúde através de um blog, um espaço colaborativo, um grupo de discussão inteiramente em português e, é claro, nossa própria Biblioteca Azul. Na verdade, nos dois últimos anos, houve mais solicitações dirigidas à Biblioteca Azul em idioma português do que em inglês e francês combinados.


Por: Equipe de Intranet da OMS e Paulo Lyra (KMC)
Fotos: rede ePORTUGUÊSe
AddThis Social Bookmark Button