Home Histórico




Histórico

Imprimir E-mail

O Projeto RS-10 teve suas origens quando a Bloomberg Philant-hropies anunciou, durante o 1ª Conferência Ministerial Mundial sobre Segurança Viária, realizada em Moscou em  2009, o finan-ciamento a um consórcio de parceiros, incluindo a Organização Mundial de Saúde, o Banco Mundial, as ONGs EMBARQ, GRSP, ASIRT e a Johns Hopkins University – para o desenvolvimento de ações voltadas à segurança no trânsito em dez países de média e baixa renda que, juntos, concentravam a quase metade de todas as mortes no trânsito no planeta: Brasil, Camboja, China, Egito, Índia, Quênia, México, Rússia, Turquia e Vietnam.

A iniciativa – uma expansão de ações que a Fundação Bloomberg já havia patrocinado ati-vidades no México e no Vietnã em 2007 (e, mais tarde, no Camboja) – recebeu o nome  Road Safety in Ten Countries (RS-10) com ações a serem desenvolvido entre 2010-2014.

No Brasil, a proposta do RS-10 foi levada ao Ministério da Saúde – contraparte da OPAS/OMS no Governo brasileiro – em março de  2010, quando foram apresentadas a uma comissão interministerial. Esta Comissão foi constituída por representantes dos Ministérios da Saúde, Cidades (Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN e Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMob), Transportes (Secretaria de Política Nacional de Transporte), Justiça (Departamento de Polícia Rodoviária Federal), Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas), Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e Casa Civil. Esta comissão seria mais tarde formalizada pela Portaria Interministerial nº 2.268/2010, instituindo a Comissão Nacional Interministerial para acompanhamento da implantação e implementação do projeto vida no trânsito.


“Vida no Trânsito”: o RS-10 no Brasil

O RS-10, acolhido pelo Governo Federal brasileiro, recebeu  no Brasil o nome de Projeto “Vida no Trânsito” e teve suas ações definidas para cinco cidades brasileiras selecionadas a partir de um critério que levou em conta indicadores epidemiológicos (como taxas e mortalidade por veículos e população, internação hospitalar); distribuição geográfica; capacidade técnica e operacional local e a disposição das autoridades locais em priorizar a temáticas das mortes e lesões no trânsito, entre outros.

Última atualização em Dom, 31 de Julho de 2011 09:17
 

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595