Boletins Panaftosa

Home


OPAS/OMS-Brasil apóia a pesquisa em Malariología, contribuindo á celebração do XVI Seminário Laveran&Deane sobre Malária, do Instituto Oswaldo Cruz, Setembro 2011

Imprimir E-mail

O Seminário Laveran&Deane tem como objetivo reunir os alunos de diferentes laboratórios brasileiros ou de países lusófonos e, eventualmente sul-americanos, com pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz e de outras instituições nacionais e estrangeiras para discutir projetos e resultados de teses na área da Malariología. Esta atividade, desde o ano 1995 vem exercendo impacto positivo na qualidade da pesquisa sobre malária no Brasil.

Este Seminário forma parte do calendário cientifico e acadêmico clássico de profissionais e estudantes brasileiros e representa uma oportunidade dedicada a discutir, avaliar criticamente  e aprimorar projetos científicos em desenvolvimento da área da Malariología do Brasil. Com a participação de estudantes de Doutorado e Mestrado e especialistas nacionais e internacionais em malária, o XVI Seminario Laveran&Deane celebrou-se na cidade de Itacuruçá, Rio de Janeiro, na semana do 12 ao 16 de Setembro de 2011, organizado e coordenado por professores do Instituto Oswaldo Cruz, com apoio da Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico em Saúde (FIOTEC) e o Escritório da Organização Pan-americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde do Brasil.

Junto com os trabalhos de tese, intercalam-se conferências magistrais de profissionais seniores especialistas de diferentes áreas da Malariología.  A metodologia do Seminário prevê a reunião de quinze alunos de pós-graduação com doce pesquisadores e três professores relatores. Cada trabalho é discutido pelo menos duas vezes e ao final do evento, o aluno recebe um relatório com as sugestões advindas dessas discussões. Para fortalecer este processo continuo, ao final do Seminário os professores e relatores votarão naqueles alunos considerados mais participativos e os dois mais votados poderão ser convidados a participar como relatores em edições posteriores do Seminário.

Antecedentes e rasgos históricos. Criados em 1995, ano do 95º aniversário do Instituto Oswaldo Cruz, os Seminários Laveran& Deane, em seus 15 anos de realização já receberam 226 alunos (incluindo 28 como ouvintes) e avaliaram 198 projetos de tese, com o auxilio de 76 professores.  O primeiro dos Seminários, o Seminário Laveran, foi homônimo de seu precursor francês, e surgiu com a finalidade de fomentar a discussão sobre projetos em malariologia no Brasil. Sua denominação homenageia a Charles Louis Alphonse Laveran (1845 – 1922), cirurgião militar francês e, posteriormente, pesquisador do Instituto Pasteur em Paris. Quando em serviço em Alger (Argélia) como militar, Laveran viu e descreveu o Plasmodium, parasita da malária, pela primeira vez, examinando lâminas de sangue fresco de um paciente. Por essa descoberta feita em 1880, Alphonse Laveran recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1907.

Nos anos seguintes, os 2o (1996), 3o (1997) e 4o (1999) Seminários do Instituto Oswaldo Cruz homenagearam, juntamente com o médico Laveran, um outro grande cientista, o italiano Batista Grassi (1854 – 1925) que em colaboração com seus colegas italianos, Amico Begnani e Giuseppe Bastianelli, entre 1898 e 1899, descreveu e demonstrou o complexo ciclo do plasmódio humano na fêmea do Anopheles.

Sir Ronald Ross havia visto em 1897 na Índia, formas plasmodiais no estômago de um mosquito Anopheles alimentado em um paciente com malária, implicando assim o mosquito no processo de transmissão da malária. Apenas cinco anos depois (1902) Ross ganha o segundo Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina (desde que este fora criado em 1901), antes, portanto da premiação de Laveran. Os trabalhos dos Italianos e posteriormente de Patrick Manson, mostrando (perto de Roma e em Londres, 1900) que o mosquito infectado podia transmitir malaria e que a proteção contra a picada prevenia a ocorrência da doença, contribuíram decisivamente para a definição da forma de transmissão da infecção.

 

A partir do ano de 2000, em que se comemorou o I Centenário do Instituto Oswaldo Cruz, o Seminário Laveran passou a ser denominado Seminário Laveran & Deane, reverenciando, além de Alphonse Laveran, ao saudoso Professor Leônidas de Mello Deane (1914 – 1993). O Professor Deane,  médico e pesquisador brasileiro, foi um dos mais completos parasitologistas do mundo. Com sua incontestável experiência em trabalhos de campo e técnicas de captura animal, estudou no interior do Ceará a malária transmitida pelo Anopheles gambiae e a biologia do mosquito transmissor. Deane participou ainda da campanha de erradicação do A. gambiae no nordeste, uma das mais bem sucedidas da história da saúde pública brasileira e sudamericana, e realizou, juntamente com sua esposa Maria Deane, o mais amplo estudo sobre a biologia e distribuição geográfica dos transmissores do paludismo na Amazônia. Leônidas empresta seu nome ao Pavilhão (Leônidas Deane), inaugurado em 2000 no Campus da Fiocruz, que abriga entre outros Departamentos, o de Imunologia, e no seu interior, o Laboratório de Pesquisas em Malária, berço do Seminário Laveran & Deane.
O Seminário Laveran & Deane representa uma iniciativa acadêmica e científica única na sua espécie nas Américas, como apoio da pesquisa em malária.

Última atualização em Ter, 04 de Outubro de 2011 15:37
 

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595