Skip to content

Representantes da OPAS/OMS no Brasil participam de Seminário e Fórum sobre segurança no trânsito promovido pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Imprimir E-mail

No evento, ocorrido nos dias 19 e 20 de Abril de 2012,  foi fortalecido o papel da Organização na Década da Segurança no Trânsito e, em particular, seu interesse pela crescente circulação da motos no Brasil, e os problemas decorrentes. 

O IV Seminário Álcool e drogas, desenvolvido em conjunto com o II Fórum de Segurança e Saúde no Trânsito, foi um evento realizado pelo Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e o Instituto de Ortopedia e Traumatologia HC/FM-USP, no Teatro da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, tendo como público cerca de 250 profissionais da área de trânsito, de saúde e  segurança pública (policiais militares e polícia rodoviária).

A temática abordada vai ao encontro da atenção aos fatores de risco e grupos vulneráveis diretamente contemplados nos programas da OPAS no Brasil e no México,  como o Projeto RS-10 (projeto Vida no Trânsito, no Brasil.)  

No dia 19, Eugênia Rodrigues, Consultora Regional da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), Washington, apresentou “Ações da OPAS na redução de acidentes de motocicletas e situação nas Américas” onde um primeiro momento foi dedicado a contextualizar a situação brasileira relativamente ao tema demonstrando o quanto a situação local espelha, em muitos aspectos a situação da Américas.  Do Brasil ressaltou-se o crescimento vertiginoso das mortes de usuários de motocicletas e ciclomotores na última década, e a preocupação do Ministério da Saúde com o tema. 

Lembrou-se ainda a relação do quadro atual com aspectos tais como a vulnerabilidade intrínseca desta modalidade de transporte, problemas nas politicas de transporte público, o déficit de mobilidade urbana vigente, maior acesso de segmentos sociais a bens de consumo fazendo a produção e a venda destes veículos dispararem. Embora o tema alcance visibilidade em grandes cidades, uma atenção especial foi dedicada ao que vem ocorrendo em cidades de pequeno e médio porte, particularmente nas regiões Centro-Oeste, Norte de Nordeste do país onde, onde há cidades em que a frota de motos superam em sete vezes a de automóveis. 

Relativamente às Américas revela-se um estarrecedor aumento de 136% nas mortes de motociclistas na Região, entre 2000 e 2007, em um ritmo mais alto do que usuários de qualquer outra modalidade, com diferenças significativas nas tendências de mortalidade por sexo – enquanto a proporção de indivíduos do sexo masculino tende a ser, em média de 4:1 nos eventos como atropelamentos e choques  de automóveis, a proporção de óbitos de indivíduos do sexo masculino relativamente ao sexo oposto em países como a Colômbia chega a 7:1.  

Os dados para países do Cone Sul (onde foram incluídos Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) mostram-se dos mais preocupantes, tanto no que concernem as taxas, quanto no percentual de informações imprecisas.  Conclui-se lembrando ser essencial para melhor entender as causas e os determinantes sociais desta situação a compreensão da influência da falta de políticas adequadas de transporte público, a infraestrutura para usuários mais vulneráveis ​​das vias, limites de velocidade, a falta de conhecimento sobre os riscos da motocicleta.  Finalmente, lembrou-se serem necessárias medidas urgentes de autoridadesdos sectores de transporte e saúdepara reverter estas tendências. 

No Segundo dia de trabalhos, Victor Pavarino (Consultor Nacional da OPAS/OMS no Brasil) participou do debate “Ações e propostas para redução de acidentes relacionados ao uso de álcool e/ou drogas” em mesa redonda.  

Leia mais sobre o evento neste link.

 
Última atualização em Qua, 02 de Maio de 2012 13:58

Banco de notícias

 

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595