Organização Pan-americana da Saúde. Brasil

Skip to content



Destaques

Últimas notícias

:: Conceito
As Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) são a causa principal de mortalidade e de incapacidade prematura na maioria dos países de nosso continente, incluindo o Brasil.

Este fenômeno, denominado “transição epidemiológica”, ocorre devido à mudança do padrão de mortalidade que afeta a população.  Anteriormente, no início do século passado, às doenças infecciosas eram as que mais levavam ao óbito (~ 50%) enquanto que hoje, com as melhorias de condições sócio-econômico-culturais, a mortalidade é preponderantemente conseqüência das doenças crônicas não transmissíveis.

Assim, em 2004, as DCNT representaram mais de 62% do total de óbitos do país, sendo maior nas Regiões Sul e Sudeste (MS, 2006) (vide mapa). As doenças de maior impacto para a saúde pública são:

1º) as doenças cardiovasculares,

2º) o câncer, particularmente o cérvico-uterino e o de mama em mulheres e de estômago e pulmão nos homens,

3º) o Diabetes Mellitus, e

4°) as Doenças Respiratórias Crônicas.

Este rápido aumento da morbi-mortalidade por DCNT vem afetando o desenvolvimento social e econômico de vários países, ademais da qualidade de vida de milhões de pessoas na nossa Região.

A OPAS promove a abordagem deste tema através da Estratégia Regional e Plano de Ação para um enfoque integrado sobre a prevenção e controle das doenças crônicas, incluindo a alimentação, a atividade física e a saúde; que foi aprovada pelo 47° Conselho Diretivo da OPAS em setembro de 2006.

Esta Estratégia, que foi formulada após uma ampla consulta com todos os países da Região, requer um enfoque de atenção integral, combinando intervenções populacionais e individuais, incluindo estratégias de prevenção e controle focalizados nas principais DCNT e fatores de risco mais freqüentes, como a nutrição inadequada, sedentarismo, tabagismo e consumo de álcool.

A estratégia orienta que a abordagem das DCNT e seus fatores de risco associados  deve ter abrangência intersetorial – saúde, educação, agricultura e pecuária, desenvolvimento urbano e meio-ambiente, etc. –  envolvendo, assim, diferentes instituições da sociedade como instituições públicas federais, estaduais e municipais, empresas do setor privado, academia, sociedade civil organizada e ONG’s, pois a maioria dos determinantes principais destas enfermidades se encontram fora do setor saúde ou mesmo da alçada das instituições públicas.

A estratégia está estruturada em quatro linhas de ação:

1 Vigilância.

2 Política e Promoção da causa (“advocacy”).

3 Promoção da saúde e prevenção.

4 Cuidado integrado das DCNT e seus fatores de risco.

Algumas iniciativas regionais foram criadas para apoiar ações para a prevenção e controle das DCNT, como o Boletim mensal para DCNT, Rede CARMEN, Aliança Latino-americana e do Caribe para Controle do Câncer, Iniciativa Cardiovascular Pan-Americana (PAHI), Iniciativa Centro-Americana de Diabetes (CAMDI), STEPS Pan-Americano.

Documentos:

Estratégia Regional e Plano de Ação para um enfoque integrado sobre a prevenção e controle das doenças crônicas, incluindo a alimentação, a atividade física e a saúde

 

Campus Virtual

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595