Skip to content

Relatório sobre o acesso universal e ações prioriátias contra o HIV/AIDS

banner WHO - towards universal access HIV/AIDSNo dia 30 de setembro, a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo de Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o  Programa Conjunto das  Nações Unidas sobre o HIV/Aids (UNAIDS), num esforço de notificação conjunta de 46 indicadores no âmbito dos programas nacionais de HIV/AIDS de 158 países do mundo, lançaram, um comunicado de imprensa com os dados de disponibilidade e cobertura das intervenções do setor saúde que estão sendo divulgados no Relatório sobre o Acesso Universal ao HIV/AIDS.

O relatório indica que mais de quatro milhões de pessoas HIV positivas já estavam recebendo tratamento anti-retroviral no final de 2008, o que representa um aumento de 36% em um ano e dez vezes maior que os dados relativos a cinco anos atrás. O relatório também destaca outros avanços tais como a ampliação do aconselhamento e da oferta de testes HIV para a melhoria do acesso aos serviços de saúde e a prevenção da transmissão vertical do HIV.

O relatório oferece dados sobre o acesso a tratamento e a atenção, realização de testes e aconselhamento, prevenção do HIV/Aids, populações vulneráveis, mulheres e crianças e sobre os sistemas de saúde.

Constatou-se uma expansão do acesso ao tratamento, sendo que dos 9,5 milhões de pessoas estimadas que necessitavam tratamento em 2008, 42% delas teve acesso ao mesmo, significando um aumento de 33% com relação a o ano de 2007. Os maiores progressos aconteceram na África Subsaariana, onde se registram dois terços de todas as infecções por HIV.  

Com relação ao aconselhamento e os testes de HIV, os dados revelam um aumento de ao redor de 37% entre 2007 e 2008, no que diz respeito à disponibilidade desses insumos nos serviços de saúde, ao passo em que 93% dos países de todas as regiões que notificaram dados ofereciam provas de detecção do HIV gratuitas nos estabelecimentos de saúde do setor público em 2008. Entretanto, ainda a grande maioria dos soropositivos estimados desconhece sua sorologia para o HIV o que se associa a medo do estigma e da discriminação.  

Na América Latina e Caribe aproximadamente 445.000 pessoas receberam tratamento anti-retroviral em 2008, registrando um aumento na região de 14%. A cobertura da terapia anti-retroviral foi de 54% em 2008 comparada com 50% em 2007. O percentual de mulheres grávidas soropositvas que receberam medicamentos anti-retrovirais para a prevenção da transmissão vertical aumentou de 42 a 54% no período 2007 - 2008.  

Entre os principais desafios se aponta o financiamento de uma resposta permanente e integral ao HIV que inclua uma ampliação dos serviços de aconselhamento e testes de detecção do HIV, ampliar os serviços de prevenção ao HIV, centrar a atenção nas populações em situação de maior risco, garantir o acesso oportuno ao tratamento, melhorar a adesão ao tratamento e serviços de alta qualidade, redobrar esforços para responder à dupla epidemia de TB e infecção por HIV, melhorar o acesso dos serviços de HIV para mulheres e crianças, integrar os programas de luta contra o HIV nos sistemas de saúde mais amplos e fortalecer a vigilância da infecção pelo HIV e ampliar a pesquisa.

Sabia mais sobre o Relatório no site da OMS: http://www.who.int/hiv/pub/2009progressreport/en/index.html

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595