Organização Pan-americana da Saúde. Brasil

Skip to content



Destaques

Últimas notícias

Indicadores e Dados Básicos - IDB 2008 Brasil
Active ImageEm 2008, o folheto do IDB aborda o tema “doenças emergentes e reemergentes”, uma importante questão de saúde pública associada a fatores socioeconômicos e ambientais.

No Brasil, a aids se destaca como uma doença emergente; exemplos de doenças reemergentes são a dengue e a leishmaniose visceral. 

A dengue ressurgiu no país em 1986, e a partir da segunda metade da década de 90 a sua incidência assumiu relevância, em função da progressiva dispersão do vetor e da circulação de diferentes sorotipos do vírus. O mapa da capa mostra a distribuição das taxas de incidência da dengue por município em 2007, quando foram notificados quase 500 mil casos da doença. Diferente de anos anteriores, a maior incidência da dengue foi observada na região centro-sul do país.

Na contracapa, a Figura 1 mostra a ascensão da incidência de dengue em relação às hospitalizações pela doença. Ao final dos anos 80, ocorriam casos esporádicos e epidemias localizadas, pelo sorotipo 1 do vírus. Na década de 1990, o número de casos e hospitalizações aumentou significativamente, com a introdução do sorotipo 2. A entrada do sorotipo 3, em 2000, contribuiu para a notificação de mais de 800 mil casos em 2002, com 55 mil hospitalizações. Novo recrudescimento é observado a partir de 2005, com a circulação simultânea de diferentes sorotipos do vírus, fator descrito como associado à ocorrência de formas graves.

Em relação à leishmaniose visceral, a Figura 2 mostra gradativa expansão geográfica da doença desde a década de 90, quando cerca de 90% dos casos estavam concentrados na região nordeste. Em contraste, quase metade das ocorrências no último período analisado (2001-2007) corresponderam às regiões sudeste (18%), norte (17%) e centro-oeste (8%). A urbanização da doença é um aspecto importante da situação atual.

A epidemia de aids apresenta certa tendência à estabilização, porém com mudanças de algumas características. Houve redução na relação da ocorrência de casos entre homens e mulheres, expressa pela razão de sexo (Figura 3); exceto na faixa etária entre 13 e 19 anos, na qual o predomínio de casos do sexo feminino ocorre desde 1997.

A mortalidade pela aids foi influenciada pela introdução da terapia antirretroviral, assegurada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em 1996. Como mostra a Figura 4, as taxas de mortalidade por aids foram crescentes até 1995-1996, quando se inflectiram, com comportamentos diversos. Na região sudeste, onde eram mais elevadas, o declínio se manteve. As demais regiões não seguem tal tendência, possivelmente por influência de fatores como a interiorização da epidemia, diagnóstico e acesso aos serviços.

Os dados apresentados neste folheto representam uma síntese da base completa da RIPSA disponível na página do DATASUS (www.datasus.gov.br/idb). Esta é a fonte recomendada para obtenção de dados de séries históricas dos indicadores da RIPSA, alterações relativas a dados publicados anteriormente e informações técnicas mais detalhadas sobre estes e outros indicadores.

Acesse a BASE DE DADOS completa

 

Campus Virtual

 

Setor de Embaixadas Norte, Lote 19, 70800-400 Brasília, DF, Brasil
Caixa Postal 08-729, 70312-970 - Brasilia, DF, Brasil
Tel: +55 61 3251-9595