Rede Brasileira de Centros e Serviços de Informação sobre Medicamentos - REBRACIM

Imprimir E-mail

 

Nome da Rede:           

Rede Brasileira de Centros e Serviços de Informação sobre Medicamentos - REBRACIM

Quando foi criada:

27 e 28 de outubro de 2010 em Brasília.

Facilitador da Rede:

  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Quem integra:

A REBRACIM rede possui um Comitê Gestor com representantes dos seguintes centros e instituições parceiras: CIM/UFBA (Ivelise Costa); CIM/UFC (Paulo Arrais; CRIM/UFF (Selma Castilho); CIM/UFRGS (Alexandre Sartori); CEIMES/ES (Elizoneth Sessa); ABENFAR (Maria Helena Braga); OPS/OMS (Luiz Henrique Costa) e DAF/MS (Marco Aurélio Pereira).

Objetivos da Rede:

A Rede tem como objetivo coordenar e executar serviços e atividades voltados à produção e difusão de informação sobre medicamentos, visando o uso racional destas tecnologias no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS.

Principais atividades, meios de comunicação entre os integrantes (presencial, e-mail, listas de discussão, conferências electrônicas):

Lista de Discussão, Fórum Presencial e Conferências eletrônicas.

Página web / Biblioteca Virtual da Rede:

http://www.rebracim2010.org.br

Afiliação à Rede(espontânea, seleção, indicação, através de pagamento de adesão, etc.):

Filiação espontânea com aprovaçãop do conselho Gestor da Rede

Recursos financieros:

Apoio do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde – DAF/SCTIE/MS, através de projetos pontuias.

Papel da OPAS/OMS: 

A OPAS retomou a iniciativa de constuir a REBRACIM através da cooperação técnica com o DAF/SCTIE/MS em articulação com a Rede CIM Lac uma iniciativa regional dos CIM das Américas e OPAS/WDC. Saiba mais...

Outras informações:

A maioria dos CIM/SIM existentes no Brasil fazem parte da REBRACIM e no momento se prepara o lançamento do livro com os resultados e trabalhos  do I Fórum da REBRACIM  realizado em outubro de 2010. Para 2011 busca-se uma articulação com o MS e o CONASS no sentido de sua integração  no SUS.