OPAS/OMS no Brasil presente em painel voltado à segurança no trânsito, no 10º Conferência Internacional de Saúde Urbana em Belo Horizonte, MG

Imprimir E-mail

A OPAS/OMS no Brasil apresentou no Congresso, na manhã de em 4 de novembro de 2011, o Plano de Ação para Segurança Viária aprovado em Resolução seguida a à 63a Sessão do Comitê Regional da Organização (51o Conselho Diretor, Washington, 26-30 de setembro de 2011). 

 

Na seção, compartilhada com apresentações  da Universidade Johns Hopkins e universidades a ela associadas em ações do Projeto RS-10 Brazil (localmente nomeado “Vida no Trânsito”), coube da OPAS/OMS no Brasil apresentar e discutir os conteúdos do Plano de Ação para Segurança Viária aprovado pelo Conselho Diretor. 

O tema principal abordado na Conferência foi a ação de saúde urbana em direção a equidade, com especial ênfase no contexto urbano, sua métrica, e intervenções. Este tema e outros foram exploradas por organizações internacionais, palestrantes.  A  conferência abordou como as instituições e os governos podem desenvolver e implementar intervenções que melhorem a equidade em saúde, com base na evidência de saúde urbana. Essas questões foram examinadas em vários áreas, como as alterações climáticas, poluição, atividade física, serviços de saúde, violência e segurança do trânsito, e lesões, habitação e infraestrutura de bairros e do ambiente urbano, a saúde reprodutiva e materna infantil, o determinantes sociais da saúde, uso de substâncias e populações vulneráveis​​, entre outros.

Sobre o plano ressaltaram-se os fatores de risco: velocidade, álcool, negligencia aos uso do cinto de segurança , capacetes e dispositivos de retenção para crianças. Na apresentação de Victor Pavarino (consultor nacional para segurança viária, OPAS/BRA), representado a consultora regional para segurança viária Eugenia Rodrigues (OPAS/WDC), foram lembrados aspectos importantes da proposta aprovada: objetivos claros, e cada qual destes trazendo indicadores e atividades propostas, todo eles a serem monitorados, analisados e avaliados pelo Conselho Diretor. Lembrou-se ainda o apoio verbalizado por vários dos representantes dos Estados Membros (pelo Brasil, o Dr. Jarbas Barbosa,  Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde), muitos dos quais ressaltaram a carga representada pelas mortes e lesões causadas pelo trânsito em seus países.  

Lembrou-se, por fim, que o dia 28 de setembro, quando o 51o Conselho Diretor adotou o Plano em tela, pode ser celebrado um dia histórico para a segurança no trânsito, uma vez que as mortes e lesões causadas pelo trânsito são a primeira causa de mortes entre  pessoas de 5 a 44 anos nas Américas, sendo que mais de 140 mil vidas se perdem anualmente por esta causa na região.