Diretora da OPAS aborda os desafios em água e saneamento na região durante a abertura do XXXIII Congresso da AIDIS

Imprimir E-mail

Embora os países da região das Américas tenham feito progressos significativos no aumento da cobertura de saneamento, contribuindo para garantir o acesso à água potável e destinação adequada dos dejetos, a falta destes serviços em área rural e periferia dos grandes centros ainda continua sendo um desafio para a região, afirmou a diretora da Organização Panamericana de Saúde (OPAS), Dra. Mirta Roses, na abertura do XXXIII Congresso da Associação Interamericana de Engenharia Sanitária e Ambiental  (AIDIS), que começou em 03 de junho em Salvador, Bahia. Na mesma ocasião foi lançada a  “Coalisão Regional sobre Água e Saneamento para a Eliminação da Cólera na  Ilha Espanhola (Haiti e República Dominicana)”.

Em Janeiro de 2012, a OPAS/OMS, conjuntamente com a UNICEF e o CDC/USA, lançou um “chamado a ação” para eliminar a cólera na Ilha Espanhola.  E em 04 de junho de 2012 durante o XXXIII  Congresso de Engenharia Sanitária ( AIDS)em Salvador, Bahia, Brasil foi lançada a  “Coalisão Regional sobre Agua e Saneamento para a Eliminação da Cólera na Espanhola (Haiti e Republica Dominicana)” com o objetivo de  elaborar  planos de ação  para aumentar as coberturas de infraestrutura e prestação de serviços de agua e saneamento para eliminar a cólera no Haiti e na Republica Dominicana.

Estavam presentes ao lançamento da coalisão, além da OPAS/OMS, CDC/USA e UNICEF, os Representantes dos dois países,do Ministério da Saúde do Brasil/ FUNASA e o Secretário de Saúde da Bahia/Brasil, o Presidente da AIDIS e o Representante da  Cooperação Espanhola.

A Região das Américas evoluiu consideravelmente nos últimos 20 anos. Tornou-se mais inserida na economia global, mais democrática, superou décadas de crise econômica e possui menos pobreza extrema. Entretanto, ainda apresenta grandes lacunas sociais e econômicas que afetam a saúde e o bem-estar das suas populações.

Reconhecer que a saúde deva estar no cerne do desenvolvimento sustentável, significa reconhecer que a saúde impacta e é impactada pelas condições sociais, ambientais e econômicas, ou seja, pelo modelo de desenvolvimento. E também é fundamental reconhecer que melhorias na saúde pública requerem que as nações enfrentem um duplo desafio: o combate às  infecções agudas e o controle das doenças crônicas não transmissíveis, que criticamente impedem  o desenvolvimento sustentável.

Nesse sentido, a comunidade internacional é solidaria e apoia os esforços do Haiti e da Republica Dominicana, que enfrentam uma séria epidemia de cólera que ameaça a outros países das Américas.
 

 Link com a noticia e com a apresentação da Diretora 

 

Última atualização em Qua, 06 de Junho de 2012 16:34