Resistência Microbiana/Antimicrobianos

Imprimir E-mail
A resistência diminui a eficácia dos medicamentos, aumenta o tempo de internação, eleva o custo do tratamento, repercutindo no uso de drogas alternativas menos eficientes, mais tóxicas e mais caras.

A resistência microbiana aos antibióticos vem aumentando rapidamente em todo o mundo, e, em particular, no ambiente hospitalar.

Para o seu combate e controle, é necessário o mapeamento do perfil de sensibilidade dos organismos que atingem hospitais e população.

No Brasil, os estudos sobre resistência microbiana publicados até o momento apresentam dados incipientes, baseados em exames microbiológicos com padronizações diferentes e que não traduzem a realidade nacional. Porém, estes apontam para o aumento expressivo
da resistência desses organismos e, consequentemente, aumento na morbimortalidade. 

Para mudar esse quadro, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa, em parceria com a Coordenação-Geral de Laboratórios em Saúde Pública da Secretaria de Vigilância em Saúde (CGLAB/SVS/MS), está implantando a Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde - Rede RM.
 
A  Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde (Rede RM) é tem como objetivo tornar a assistência à saúde mais efetiva por meio do uso adequado de antimicrobianos e da detecção, prevenção e controle da emergência de resistência microbiana em serviços de saúde no país. 

Saiba mais: 

Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde - Rede RM

Material Didático da Rede RM 

Última atualização em Qua, 27 de Janeiro de 2010 08:48