Delegados da 1ª CNSA definem diretrizes para a saúde ambiental do País

Imprimir E-mail

 Após quatro dias de debates terminou sábado (12/12), em Brasília, a 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental (CNSA), coordenada pelos Ministérios da Saúde, Meio Ambiente e Cidades. Cerca de 1.500 pessoas, entre delegados, convidados e observadores internacionais participaram do evento que definiu 24 diretrizes e 48 ações estratégicas para a construção da primeira Política Nacional de Saúde Ambiental.

 Na avaliação de Guilherme Franco Netto, coordenador geral da 1ª CNSA e diretor de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, a CNSA conseguiu trabalhar de maneira muito propositiva, e vai contribuir na elaboração de diversas políticas públicas, o que vai contribuir para a qualidade de vida dos brasileiros. “Posso afirmar que a coragem e a determinação dos delegados de todo o Brasil tornaram possível a realização dessa Conferência”.

Para Netto, as deliberações e diretrizes propostas contribuirão na elaboração de diversas políticas públicas e melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. “O governo brasileiro poderá dizer em Copenhague que aqui fomos capazes de discutir a Saúde Ambiental em nível elevado".

O gerente de projetos do Ministério do Meio Ambiente e membro da Comissão Organizadora Nacional (CON/CNSA), Geraldo Abreu, ressaltou a importância do evento para as discussões sobre as propostas de políticas públicas. “A CNSA aponta diversas ações para o fortalecimento das áreas da saúde, meio ambiente, infrastrutura e planejamento urbano”.

Na opinião de Elcione Diniz Macedo, diretor de Desenvolvimento Institucional do Ministério das Cidades, outras conferências devem se espelhar na intersetoriedade proposta pela CNSA. “A CNSA foi objetiva usando uma metodologia que aponta 24 diretrizes e 48 ações estratégicas. A saúde, o meio ambiente e o saneamento devem buscar um objetivo comum para fazer uma política transversal”.

Andréa Nascimento, delegada do Espírito Santo, emocionada disse que por meio da sua participação na CNSA, teve certeza que o povo tem força para mudar qualquer situação. “Fiquei nervosa com a organização no primeiro dia do evento. Nunca tinha participação de uma conferência e nem conhecia o processo. Vi a força do povo. Aqui ajudamos a construir políticas públicas”, finaliza.

O objetivo da 1ª CNSA foi o de promover o debate social sobre as relações entre produção e consumo, seus impactos na saúde e no ambiente, estruturação de territórios sustentáveis nas cidades, no campo e nas florestas. Dessa forma, as ações e diretrizes definidas na Conferência devem subsidiar a construção de uma política integrada para a redução de riscos à saúde pela melhoria das condições de vida da população, bem como pela diminuição dos danos ao meio ambiente.

A 1ª CNSA mobilizou mais de 60 mil pessoas em todo o país durante as etapas preparatórias. Foram realizadas 285 conferências municipais, 151 regionais ou microrregionais, 26 estaduais e uma distrital.

Os temas debatidos na plenária nacional incluíram a necessidade de processos produtivos e consumo sustentáveis; melhoria de infraestrutura, como o saneamento; articulação interinstitucional, ações integradas e controle social; territórios sustentáveis, planejamento e gestão integrados; educação, informação, comunicação e produção de conhecimento; e marco regulatório e fiscalização.

Estes assuntos foram discutidos e eleitos como prioritários com base nos três eixos temáticos da 1ª CNSA: I – Desenvolvimento e sustentabilidade sócio-ambiental no campo, na cidade e na floresta; II – Trabalho, ambiente e saúde: desafios dos processos de produção e consumo nos territórios; III – Democracia, educação, saúde e ambiente: políticas para a construção de territórios sustentáveis.

 
Confira o resultado da 1ª CNSA:

 
http://189.28.128.179:8080/cnsa/documentos-1/diretrizes-texto-final/view
http://189.28.128.179:8080/cnsa/documentos-1/documentos-finais
http://189.28.128.179:8080/cnsa/fotos

Última atualização em Sáb, 17 de Abril de 2010 11:23