Série Gestão do Conhecimento

Grupos Ótimos: um modelo de gestão participativa para o desenvolvimento institucional das representações e centros da OPAS/OMS

A cooperação técnica desenvolvida pela OPAS/OMS procura a eficiência e a excelência no trabalho para atingir os resultados esperados, tendo como premissas o planejamento, a organização e a participação.

Nesse contexto, a Organização estimula iniciativas sustentadas no trabalho em equipe e na aprendizagem, como forma de apoiar o processo de alinhamento técnico e administrativo para a execução das Estratégias de Cooperação com os governos. Dessa forma, promove e recupera a prática diária da análise e discussão coletiva como espaço de aprendizagem, valorizando a comunicação entre seus funcionários e parceiros. O principal objetivo é incrementar a capacidade produtiva da cooperação técnica, fortalecer a comunicação, reforçar valores institucionais, impulsionar o desenvolvimento de competências centrais e de gestão, bem como estimular a execução participativa do desenvolvimento institucional.

A proposta de GO possui algumas características tais como: promover a análise e a solução de situações-problema identifcados, recuperar a prática diária como espaço de aprendizagem, dar especial importância à comunicação entre os integrantes, fomentar o trabalho em equipe e utilizar o pensamento coletivo na solução de problemas institucionais.

É com satisfação que apresentamos os aspectos teóricos e práticos da aplicação da metodologia dos Grupos Ótimos na OPAS/OMS e seus centros, fruto do trabalho participativo e de aprendizagem institucional da Organização.

Conheça também a versão em espanhol da publicação.  

 


 Rede de Centros Colaboradores da OPAS/OMS no Brasil: Potencialidades e Perspectivas

Essa publicação apresenta uma consolidação da informação sobre os Centros Colaboradores do Brasil, resumida em três capítulos:

• O primeiro constitui-se de uma base teórica aplicada aos Centros Colaboradores do Brasil, onde são discutidos aspectos de interesse geral para os centros tais como sua designação e redesignação, bem como aspectos associados às suas funções (pesquisa, formação de recursos humanos, gestão da informação e cooperação com outros países).
                    • O segundo é uma consolidação de entrevistas realizadas com diretores de centros, autoridades de saúde do país e consultores da OPAS/OMS.
                    • O terceiro propõe a perspectiva de trabalho em rede, fazendo um histórico de sua conformação e apresentando de forma detalhada a   informação de cada um dos centros.

Conheça também a versão em espanhol da publicação.


Redes de Relacionamento Estratégico da OPAS/OMS - Conceitos e Lições Aprendidas

"...Este documento destaca a importância do trabalho em redes para a gestão estratégica da Organização, a fim de melhorar seu desempenho no campo da saúde pública. Sob essa perspectiva, busca apresentar novas contribuições para o planejamento estratégico corporativo e revelar suas consequências em termos de oportunidades, ameaças, pontos fortes e fracos das redes podem ser formadas. Da mesma forma procura mostrar que as redes de relacionamento estratégico podem colaborar e reforçar a ação eficiente da cooperação técnica junto às contrapartes nacionais para o desenvolvimento nacional da saúde, na medida em que permitam a comunicação, o intercâmbio de experiências e o processo de gestão a própria Organização. Este por sua vez, facilita a integração tanto em ambiente interno quanto externo (relação entre indivíduos, departamentos, unidades e organizações) e garante uma maior previsibilidade e preparação, incluindo a mitigação de risco, na ligação entre saúde local nacional, regional e global...." Prefácio de Mirta Roses - Diretora Emérita da OPAS.
 


null

Gestão de Redes na OPAS/OMS Brasil: Conceitos, práticas e lições aprendidas

Nessa publicação, ao divulgar seu papel e as estratégias de aperfeiçoamento da gestão das redes em que atua, a OPAS/OMS no Brasil espera contribuir para que a matéria prima das redes - a vontade das pessoas e sua disponibilidade em vivenciar essa nova forma de trabalhar - possa ser estimulada, a fim de colaborar para o alcance de resultados cada vez mais consistentes e relevantes para a saúde pública. Além das vivências da própria Organização, o livro traz também uma contribuição externa sobre a proposta de um passo a passo para a implementação de Redes.

Conheça também as versões em inglês e espanhol da publicação.  

 


Gestão do Conhecimento em Saúde no Brasil: Avanços e Perspectivas

Resultado do Seminário promovido pela OPAS/OMS no Brasil sobre Tecnologia, Gestão da Informação e Conhecimento em Saúde Pública: compartilhando experiências, realizado em Brasília/DF (4 e 5 de fevereiro de 2009) que, simboliza atingir em conjunto, os objetivos de discutir sobre o estado da arte da Gestão do Conhecimento, conhecer as metodologias, ferramentas e tecnologia disponíveis bem como compartilhar experiências e propor ações de cooperação técnica intra e interinstitucionais. Estiveram no evento 113 participantes (representando 14 instituições), sendo 23 palestrantes distribuídos em 7 painéis temáticos.