O diabetes é uma doença crônica grave, que ocorre ou quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o corpo não usa eficazmente a insulina que produz. Existem três tipos principais de diabetes: diabetes tipo 1, que é o mais frequente entre crianças e adolescentes; diabetes tipo 2, que é o mais frequente entre os adultos e está ligado à obesidade ou excesso de peso, falta de atividade física e má nutrição; e o diabetes gestacional que é uma complicação da gravidez que afeta aproximadamente 10% das gestantes globalmente. O diabetes de tipo 2 representa cerca de 90-95% dos casos, e esta enfermidade pode ser evitada através da redução dos principais fatores de risco: (a) excesso de peso e obesidade, o que contribui para 44% dos casos; (b) inatividade física, que contribui com 27% dos casos; e outros fatores de risco como o tabagismo, abuso de álcool, história familiar e fatores desconhecidos (33%).

Prevenção

A maior parte dos casos de diabetes está ligada a fatores comportamentais e estilo de vida, e é, portanto, passível de prevenção.

Prevenção individual - A obesidade e o excesso de peso são os principais fatores de risco para diabetes tipo 2, que afeta de 90 a 95% das pessoas com diabetes. Manter um peso saudável e estilo de vida baseado em uma alimentação saudável e atividade física regular pode prevenir muitos casos de diabetes tipo 2.

Para as pessoas que já têm diabetes, é importante manter um nível de glucose adequado no sangue, a fim de prevenir ou retardar complicações crônicas como a cegueira, neuropatia, doença renal ou insuficiência vascular periférica, que podem conduzir a amputações de membros, entre outras sequelas.

Prevenção do ponto de vista da saúde pública - A prevenção primária do diabetes pode ser favorecida pela implementação de políticas públicas para prevenir a obesidade ou excesso de peso, tais como aqueles que aumentam a disponibilidade e o acesso a alimentos saudáveis ??e atividade física. Além disso, para a prevenção secundária, é importante reforçar as políticas que melhorem o acesso ao diagnóstico de diabetes, cuidados médicos, bem como medicação acessível.

Controle

Diabetes é uma doença que tem um enorme impacto econômico sobre indivíduos, famílias e governos. Estima-se que as despesas de saúde causadas ??pelo diabetes nas Américas totalizaram aproximadamente US$ 383 bilhões em 2014, e esse número deve aumentar para US$ 486 bilhões em 2040. Os custos médicos associados com o diabetes resultam do fato de ser uma doença complexa, uma vez que tem repercussões em vários órgãos e tecidos.

Diabetes e outras doenças crônicas exigem o bom funcionamento dos serviços de saúde, que oferecem atenção contínua e serviços de acompanhamento proativos pelas equipes médicas. Para atingir este objetivo, os sistemas de saúde devem ter o apoio de seus líderes, além do estabelecimento de políticas de saúde que garantam o acesso a medicamentos e serviços.

Redes integradas de serviços de saúde são um mecanismo ideal que une vários níveis de cuidados de saúde e respondem com serviços de qualidade à demanda de cuidados de diabetes e outras doenças complexas. Os profissionais de saúde precisam receber treinamento através de programas de formação contínua, incluindo atualizações frequentes sobre a gestão da diabetes, bem como o uso de insulina, cuidados com os pés, e formação para apoiar pacientes que necessitem de autogestão. A autogestão em diabetes é tão importante quanto o tratamento médico para atingir um óptimo controle da doença. As equipas de cuidados primários de saúde devem ser apoiados por guias e protocolos baseados em evidências científicas recentes, bem como ferramentas para o monitoramento contínuo de pacientes através de um sistema de informação clínica. Associações de grupos de autoajuda da comunidade e pacientes podem, idealmente, complementar os serviços de saúde, ajudando os pacientes a entender e viver melhor com o diabetes.

Em muitos países das Américas pesquisas populacionais indicam que mais de 50% dos pacientes que tem diabetes não chegam a um controle glicêmico adequado de acordo com protocolos internacionais. É por isso que os estes países têm de fazer um esforço para ajudar os pacientes a alcançar estes objetivos terapêuticos.

Políticas Públicas para prevenção do excesso de peso

O principal fator de risco para diabetes tipo 2 é a obesidade. As razões mais importantes são alimentação inadequada e sedentarismo, e os ambientes obesogênicos onde estes ocorrem.

Pessoas em toda a região estão consumindo maiores quantidades de bebidas açucaradas e alimentos hipercalóricos pobres em nutrientes, além de ser fisicamente pouco ativos. Portanto, as políticas públicas enfocadas em mudar o ambiente para fazer da escolha saudável a escolha fácil são essenciais.

Políticas públicas para prevenção do excesso de peso e obesidade promovidas pelo Plano de Ação da OPAS para prevenir a obesidade em crianças e adolescentes incluem:

  • 1) Promoção do aleitamento materno e alimentação saudável;
  • 2) Melhoria da alimentação escolar e ambientes de atividade física;
  • 3) Regulação e fiscalização da comercialização de alimentos e rotulagem;
  • 4) Outras ações multissetoriais; e
  • 5) Vigilância, investigação e avaliação.
  • Além disso, a amamentação reduz diretamente o risco de diabetes tipo 2 em mulheres e crianças; mulheres que amamentam e crianças amamentadas têm risco  32% e 35% menor, respectivamente.

Diabete gestacional

Diabetes melitus gestacional (DMG) é uma condição temporária que inclui risco a longo prazo de diabetes tipo 2. Ela ocorre quando os valores de glicose no sangue da mulher grávida estão acima do normal, mas ainda inferiores aos de diagnóstico de diabetes. Mulheres com diabetes gestacional estão em maior risco de complicações durante a gravidez e parto. O diabetes gestacional é diagnosticado através da triagem pré-natal de glicose no sangue, ao invés de sintomas relatados. Estima-se que entre 1-2 casos de diabetes gestacional ocorram em 10 períodos gestacionais.

Situação mundial do diabetes

Em 2014, a prevalência global de diabetes foi estimada em 9% entre os adultos acima de 18 anos.

Em 2012, cerca de 1,5 milhões de mortes foram causadas diretamente pelo diabetes.

Mais de 80% das mortes por diabetes ocorrem em países de baixa e média renda.

A OMS estima que o diabetes seja a sétima causa de morte em 2030.

Adotar uma dieta saudável, atividade física regular, manter um peso corporal normal e evitar o uso de tabaco podem prevenir ou retardar o aparecimento da diabetes tipo 2.

Fonte: Página da OPAS/OMS sobre o Dia Mundial da Saúde 2016

Veja a mensagem em vídeo da Diretora da OPAS/OMS, Dr. Carissa Etienne, sobre o diabetes.

Literatura científica e técnica sobre o tema

A BIREME/OPAS/OMS selecionou documentos da Biblioteca Virtual em Saúde sobre os temas da campanha do Dia Mundial da Saúde 2016

Links de interesse

Página da OMS sobre o Dia Mundial da Saúde (em inglês)

Infográfico sobre o diabetes (em espanhol)

Prevalência do diabetes nas Américas (em espanhol)

Publicações sobre o diabetes: informes, estratégias e diretrizes (em espanhol)