No dia 3 de dezembro de 2018 teve lugar a IV Sessão do Comitê Científico (CC) do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde. O CC cumpre funções consultivas perante o Comitê Consultivo e a Diretora da OPAS/OMS.

O atual CC é integrado por especialistas das seguintes áreas do conhecimento, Comunicação Científica, Pesquisa Científica, Gestão da informação, Educação e Gestão do Conhecimento, e Engenharia do conhecimento e Sistemas de Informação. Ademais, participam o diretor da BIREME e os gerentes das áreas técnicas e administrativa. Esta sessão, em particular, contou com a presença da Diretora da Organização, Dra. Carissa F. Etienne, e da Dra. Amanda Wilson, Coordenadora da Rede Nacional da National Library of Medicine dos Estados Unidos, como observadoras. Na abertura da reunião, Efren Carlos Oropeza Abúndez, representante do México e Jaider Ochoa Gutierrez, da Colômbia, foram eleitos presidente e relator da sessão.

CCaO programa teve início com apresentações sobre as Estruturas de Governança e Gestão e Plano de Trabalho 2018-2019, a cargo da Administradora da BIREME Silvia de Valentin, que detalhou as funções do CC e explicou a composição do Marco Institucional do Centro, formado por quatro pilares: o Plano estratégico e plano de cooperação técnica da OPAS/OMS; o Estatuto da BIREME; o Plano de Trabalho Bianual 2018-19; e a Gestão Financeira e de recursos através do PMIS. A apresentação da Administradora motivou uma série de perguntas por parte dos membros do CC, que foram respondidas satisfatoriamente.

A apresentação a seguir ficou a cargo de Verônica Abdala, gerente de Serviços e Produtos de Informação, que detalhou os produtos e serviços de cooperação técnica em gestão da informação, destacando a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), sua principal fonte de informação, a Literatura Latino-Americana em Ciências da Saúde (LILACS) e o vocabulário controlado DeCS – Descritores em Ciências da Saúde. A gerente ainda destacou produtos de tradução do conhecimento, como a Segunda Opinião Formativa do programa Telessaúde, o destaque às práticas integrativas de saúde através da BVS MTCI e os cursos online de busca e acesso à informação. Mais uma vez, as questões levantadas pelos membros do CC sobre a exposição foram prontamente respondidas.

CCbRenato Murasaki, gerente de Metodologias e Tecnologias da Informação, apresentou o quarto tema “Tecnologias da informação para cooperação técnica”, quando teve oportunidade de responder às questões formuladas por ocasião da III Reunião do CC, em dezembro de 2017. Renato destacou a criação de um repositório de legislação em saúde, a participação da BIREME no desenvolvimento da plataforma da Base Regional de Informes de Avaliação de Tecnologias em Saúde (BRISA, no acrônimo em espanhol), a coordenação do Global Index Medicus, a extensão do DeCS, e o suporte metodológico ao Repositório de Recursos Educacionais Abertos do CVSP, para citar apenas alguns.

Lilian Calò, coordenadora de Comunicação Científica e Comunicação Institucional da BIREME apresentou os produtos e serviços de sua área, como a orientação a editores sobre gestão e aprimoramento de periódicos científicos, seleção de especialistas, situação de indexação dos periódicos da AL&C em bases de dados, e cursos presenciais de comunicação científica destinados a pesquisadores, profissionais de saúde e estudantes de pós-graduação. Sobre comunicação institucional, citou a publicação mensal do Boletim BIREME em três idiomas, atualização semanal da Intranet da OPAS, atualização semanal do site institucional, atualização diária do boletim interno PSI e gestão das redes sociais Facebook e Twitter sempre que necessário. Também Lilian respondeu a contento às perguntas do CC.

A seguir, o diretor da BIREME, Diego González, apresentou o tema “Avanços e Implementação das Recomendações da III Sessão do Comitê Científico”, onde destacou a identidade e o trabalho da BIREME. Os membros do Comitê foram unânimes em ressaltar os resultados obtidos, considerando o discurso de apenas um ano, desde a última reunião do CC e o reduzido número de colaboradores dedicado a executar as ações de cooperação técnica.

Encontram-se resumidas abaixo as principais recomendações do Comitê Científico:

  • Divulgar perguntas de profissionais de saúde e suas respostas;
  • Incentivar e treinar no uso de ambientes virtuais;
  • Incentivar bibliotecas temáticas, incluindo especialidades para as quais elas não foram desenvolvidas;
  • Mapear conhecimento, não apenas metadados;
  • Disponibilizar plataformas e instrumentos para avaliar a qualidade dos documentos, ampliando as parcerias com as organizações que trabalham na questão;
  • Pensar em uma plataforma de dados aberta e pesquisa reprodutível;
  • Gerar alianças para explorar novas métricas com diferentes abordagens (cienciometria, altimetria, visibilidade social) e tecnologias;
  • Continuar trabalhando nos diferentes componentes da ciência aberta, fortalecendo e aprofundando muito mais. A BIREME deve assumir um papel de liderança nessa questão;
  • Trabalhar em mecanismos e ferramentas de preservação digital;
  • Documentar o impacto que está sendo gerado com os processos e projetos desenvolvidos em parceria com outras instituições;
  • Cooperar com diversas fontes, comprometimento com a interoperabilidade e plataformas tecnológicas, por exemplo colaborando com a ORCID;
  • Levar em conta as ações políticas que estão sendo trabalhadas; por exemplo, o Plano Nacional de Transformação; existe estruturas para colaboração e trabalho, especialmente a nível estratégico;
  • Continuar trabalhando no reposicionamento da BIREME;
  • É necessário blindar os recursos financeiros para a operação da BIREME, mesmo com aproximação ao setor privado e comercial para a sustentabilidade;
  • Ser transparente com o conflito de interesses na ciência aberta e comunicação científica;

CCe

Participação da Dra. Carissa Etienne
A Diretora da Organização participou da segunda metade da IV Sessão do Comitê Científico e observou que:

  • É preciso considerar o papel da informação na Agenda 2030, uma vez que é da maior importância para gerar novos programas e políticas e acesso à informação para uma vida saudável e bem-estar;
  • BIREME evolui à partir das contribuições dos comitês (Comitês Científico e Assessor), e a OPAS deve interagir com estes especialistas;
  • O acesso à saúde universal não depende apenas de medicamentos, mas dos determinantes da saúde (3 Ps: vontade política, políticas públicas e parcerias entre setores)
  • Procurar entender que público não alcançamos e por que;
  • Transformar toda evidência em informação fácil de utilizar;
  • Apoiar a ciência aberta e a disponibilização de recursos por parte dos Estados Membros;
  • Ter como objetivo utilizar a informação científica como base para a tomada de decisão.
  • Foi sugerido à Diretora que a OPAS tenha um repositório das publicações em periódicos de seus colaboradores em acesso aberto.

Os membros do CC foram unânimes em destacar os resultados apresentados pela BIREME e fazer recomendações, com ênfase em adotar os princípios da Ciência Aberta; estabelecer parcerias com novas instituições com vistas a prospectar projetos de cooperação técnica buscando alternativas para a sustentabilidade financeira do Centro; trabalhar com mecanismos e ferramentas de preservação digital; e explorar métricas para avaliar impacto científico nas fontes de informação da BIREME (cienciometria, altmetria, visibilidade social, etc.), entre outras.

Comite cientficoAo concluir a IV Sessão, o Presidente, Efren Carlos Oropeza e o Diretor da BIREME, Diego González, agradeceram a presença dos membros do Comitê e da Dra. Carissa Etienne, declarando encerrada a reunião.