No início de junho de 2014, uma equipe da Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil esteve no Espírito Santo visitando algumas unidades que haviam recebido profissionais cubanos do Programa Mais Médicos. Um dos locais escolhidos foi a Unidade Básica de Saúde de Central Carapina, no município de Serra, que contava com um médico cubano recém-chegado ao posto: Hidalgo Rodrigues Matias estava atendendo há apenas dois meses quando falou pela primeira vez com a OPAS.

“A região é muito necessitada. As pessoas são bastante carentes, precisam do serviço e dependem integralmente do Sistema Único de Saúde (SUS). A população trata de tudo aqui, na atenção básica. Por isso temos que ter essa visão de futuro, de tratar os problemas na origem. É um trabalho muito importante e honorável”, disse ele na época (confira a matéria aqui).

Passados 6 meses de atividade no Brasil, Hidalgo fez uma breve análise da evolução de seu trabalho na unidade de saúde.

“O início foi muito difícil, chegar e falar em outra língua, mas com o estudo sistemático fui aprendendo. Na parte pessoal, este trabalho para mim é desafiador. Tenho a oportunidade de conhecer uma nova realidade, tratar doenças de forma diferente do que em Cuba, então estou aprendendo muito. Para a população eu também acho que foi muito bom porque esta unidade conta com mais um médico. Eu consulto aproximadamente trinta pacientes diários. São trinta pessoas a mais por dia que podem ser atendidas, e que antes provavelmente tinham que esperar. Então o fluxo melhora, é mais rápido conseguir consulta e agendamento”.

A gerente da unidade, Maria Tereza Botelho, explica que a demanda da unidade é muito alta, pois o posto atende a uma grande comunidade de baixa renda, com aproximadamente 12 mil habitantes. Daí a necessidade de contar com um médico de atenção básica e a inscrição da unidade no Programa Mais Médicos: “A gente não estava conseguindo fazer um fluxo de atendimento humano. E para a gente foi muito bom, a população gosta muito dele. Ele se envolve bastante com a comunidade, participa de ações em Saúde e é muito cuidadoso com os pacientes”, conta.

Boa relação com a equipe é essencial para adaptação do médico estrangeiro aos protocolos brasileiros 

O médico cubano é enfático ao contar que a relação com os colegas de trabalho é a melhor possível, e que eles se reúnem com frequência para discutir casos e procedimentos. “Nós estamos em contato direto. Tenho ótimas relações com os outros profissionais, e sempre que tenho dúvidas, converso com meus colegas. Além disso, nós temos reuniões sobre doenças específicas, e estamos sempre conversando e debatendo os problemas de saúde mais urgentes aqui na região”.

Esta interação com a equipe ajudou o médico a contornar alguns percalços no atendimento, conta a gerente da unidade: “Seria bom que o Programa fizesse um reforço nos fluxos e nos protocolos de medicação que nós seguimos aqui, porque esse foi a única dificuldade que eu detectei. Mas o Hidalgo tem muito interesse em fazer tudo corretamente, então sempre que tem uma dúvida ele pergunta para os integrantes da equipe, seja um colega médico, o farmacêutico, a enfermeira ou para mim. Então esse empenho é muito positivo”, avalia.

De acordo com o Ministério da Saúde, durante todo o período de estadia no Brasil, o médico estrangeiro do Programa Mais Médicos tem seu trabalho supervisionado por uma universidade pública e pelas secretarias estaduais e municipais de saúde. Os profissionais também têm acesso a todos os protocolos clínicos e de regulação do Sistema Único de Saúde e a ferramentas como Telessaúde (programa do Ministério da Saúde que promove a orientação à distância dos profissionais de atenção básica) e Portal Saúde Baseado em Evidências (banco que contém informações científicas atualizadas)¹.

Jussara Almeida Depes, enfermeira de Estratégia de Saúde da Família de Central Carapina, conta que já solicitou o reforço no treinamento para o médico cubano se aprofundar nos protocolos brasileiros: “Ele tem interesse em aprender, é muito atencioso e a integração dele com a equipe foi muito boa. Então a gente precisa fortalecer esse lado, para que ele possa ter segurança e independência na prescrição”.

Hidalgo acredita que o Mais Médicos está sendo positivo para o país, e que o alcance dos resultados depende do esforço de cada profissional envolvido no Programa, sejam gestores, administradores ou profissionais de saúde em geral: “O governo deve continuar seguindo muito de perto esse Programa, como está fazendo agora. O mais importante é que o Programa chegue até o final, para que haja uma avaliação real dos resultados. Agora nós estamos aqui com a nossa força de vontade, o recurso humano está aqui. E o governo brasileiro tem brindado todas as condições para que a gente desenvolva o nosso trabalho. Então nós estamos fazendo todo o possível, todos os dias, para chegar nas unidades e atender a todo o povo brasileiro”.

“Eu já sabia, pela minha formação, qual o perfil dos médicos cubanos, então ele atendeu plenamente às nossas expectativas. O Hidalgo é uma pessoa maravilhosa, um médico super dedicado, tem o perfil de médico comunitário, então aqui nós não tivemos barreiras nem conflitos, graças a Deus”, sorri Maria Tereza.

Série Mais Médicos – Vídeo

A OPAS/OMS no Brasil estruturou uma série de reportagens sobre o Programa de Cooperação Técnica Mais Médicos. A cada edição, será apresentado um vídeo mostrando a experiência do programa em algumas regiões do país.

O objetivo dos vídeos é refletir, em linhas gerais, o andamento da cooperação, desde a chegada dos médicos cubanos, o processo de formação, a integração com outros profissionais, a percepção da população, os resultados obtidos, os avanços, os processos de inovação e a troca de experiências.

Neste décimo segundo episódio, Central Carapina, em Serra – ES, o vídeo mostra a análise da gerente da Unidade de Saúde, o depoimento do médico cubano em exercício, a opinião de um paciente, o relato de uma enfermeira de Estratégia de Saúde da Família e de uma agente comunitária de Saúde.

 

Estratégia de Saúde da Família de Central Carapina

A Estratégia de Saúde da Família de Central Carapina (CNES 2485982)², atende a uma população de aproximadamente 12 mil pessoas, conta com três equipes de saúde da família e 43 funcionários, entre médicos, administrativos e profissionais de saúde. Presta atendimento ambulatorial e demanda espontânea, além de realizar visitas domiciliares. Funciona de segunda a sexta.


O Programa Mais Médicos


O Mais Médicos é um Programa de saúde lançado em 08 de julho de 2013 pelo Governo Federal, cujo objetivo é suprir a carência de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades do Brasil.

Médicos brasileiros tiveram prioridade em preencher as vagas do programa. As vagas remanescentes foram oferecidas primeiramente a brasileiros formados em universidades no exterior e em seguida a médicos estrangeiros, que trabalham sob uma autorização temporária para praticar Medicina, limitada à provisão de atenção básica de saúde e restrita às regiões onde serão direcionados pelo Programa.

A OPAS/OMS no Brasil e o Ministério de Saúde assinaram um Termo de Cooperação para colaborar na expansão do acesso da população brasileira à atenção básica de saúde. O termo inclui diversas linhas de ação, desde documentar, disseminar informação a prover aconselhamento técnico e apoio à capacitação e treinamento continuado aos médicos selecionados, seguindo as recomendações do Código Global de Práticas em Recrutamento Internacional de Pessoal de Saúde da OMS. A OPAS/OMS também assinou um Acordo de Cooperação de natureza similar com o Ministério de Saúde Pública de Cuba.

Os médicos cubanos vão trabalhar nos municípios que não foram selecionados por nenhum médico (brasileiros ou estrangeiros) nas primeiras rodadas de recrutamento. A maioria destes municípios tem 20% ou mais da população vivendo em extrema pobreza, a maioria está nas regiões Norte e Nordeste do país. Todos os médicos fazem um treinamento de 3 semanas de duração, uma semana de acolhimento nos estados aos quais serão destinados e um módulo de avaliação.
 


Referências


¹Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus). Portal da Saúde. Informe Mais Médicos. Acessado em: 18/12/2014.
²Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Acessado em: 05/12/2014