9 de março de 2016 – Acaba de ser lançada a publicação “Modelo de Perfil Nutricional da Organização Pan-Americana da Saúde”, uma ferramenta para classificar bebidas e alimentos processados e ultraprocessados, identificando os que contêm excesso de componentes críticos, como açúcares, sal, gorduras totais, gorduras saturadas e gorduras trans.

A publicação busca ajudar na concepção e implementação de várias estratégias relacionadas com a prevenção e controle da obesidade e excesso de peso, incluindo: restrição na comercialização de alimentos e bebidas pouco saudáveis para crianças; regulamento de ambientes alimentares escolares (programas de alimentação e alimentos e bebidas vendidos nas escolas); uso de rótulos na parte frontal das embalagens; definição de políticas fiscais para limitar o consumo de alimentos não saudáveis; identificação de alimentos a serem fornecidos por programas sociais para grupos vulneráveis.

Processados e ultraprocessados

Exemplos de produtos processados: hortaliças como cenoura, pepino, ervilha, palmito, cebola e couve-flor conservadas em salmoura ou em solução de sal e vinagre; extrato ou concentrados de tomate (com sal ou açúcares); frutas em calda e frutas cristalizadas; carne seca e toucinho; sardinha e atum enlatados; outras carnes ou peixes salgados, defumados ou curados; queijos; pães e produtos panificados em geral.

Exemplos de produtos ultraprocessados: doces ou salgadinhos de pacote, biscoitos, sorvete, balas e guloseimas em geral; refrigerantes e refrescos; sucos adoçados e bebidas “energéticas”; cereais matinais açucarados; bolos, misturas para bolo e barras de cereais; bebidas lácteas e iogurtes adoçados e aromatizados; sopas, macarrão e temperos “instantâneos” enlatados, de pacote ou desidratados; pratos pré-preparados ou semi-prontos incluindo massas, pizza, pratos à base de carne, peixe ou hortaliças, hambúrguer, salsicha e outros embutidos, carne de aves e peixes empanada ou do tipo nuggets e outros pratos feitos de subprodutos animais.

Histórico

Em outubro de 2014, os Estados Membros reunidos no 53º Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) aprovaram por unanimidade o Plano de Ação para Prevenção da Obesidade em Crianças e Adolescentes. Isso reflete a conscientização dos governos sobre a alarmante prevalência da obesidade nas Américas — a maior do mundo. 

A aprovação do Plano de Ação foi um sinal inequívoco de que os países da região estão comprometidos a agir para combater este cenário. O Plano de Ação determina que a OPAS forneça informações baseadas em evidências para a formulação de políticas e regulamentações fiscais e de outros tipos destinadas a evitar o consumo de alimentos não saudáveis, como as relativas à rotulagem na parte frontal das embalagens e as diretrizes nutricionais regionais para alimentação escolar (programas de alimentação e venda de alimentos e bebidas nas escolas). 

O desenvolvimento e a definição de critérios regionais de quantidades aceitáveis de nutrientes críticos como sal, açúcar e gorduras trans, na forma de um modelo de perfil nutricional, é um passo decisivo para o cumprimento dessa determinação. O Modelo de Perfil Nutricional da OPAS é baseado em robustas evidências científicas e resultado do trabalho rigoroso de um grupo de consultores especialistas, composto de autoridades reconhecidas no campo da nutrição.

O documento está disponível para download no site da OPAS/OMS.