7 de abril de 2016 – Para marcar o Dia Mundial da Saúde, a Representação da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil apresentou nesta quinta-feira (7), uma panorama da diabetes no mundo. A doença está crescendo em todo o mundo e é agora mais comum nos países em desenvolvimento. O número de pessoas vivendo com diabetes quase quadruplicou em 24 anos. Estima-se que 422 milhões de adultos no mundo (8,5% da população) viviam com diabetes em 2014. Em 1980, havia 108 milhões (4,7%).

As principais complicações que podem estar relacionadas à diabetes são cegueira, insuficiência renal, amputação de membros inferiores e outras consequências em longo prazo que impactam significativamente na qualidade de vida.

De acordo com o Representante da OPAS/OMS no Brasil, Joaquín Molina, para prevenir mortes e complicações causadas por essa doença é necessário disponibilizar serviços de saúde acessíveis com equipamentos para diagnóstico e monitoramento; educar o paciente para promover uma dieta saudável, atividade física e autocuidado; dar acesso a medicamentos essenciais para o controle da diabetes, como a insulina; checar regularmente possíveis complicações e realizar tratamento precoce.

“A OPAS/OMS pede aos governos e Estados dos países que garantam o acesso a medicamentos e tecnologias essenciais para a diabetes, mesmo que ainda inadequado em países de renda média e baixa, onde muitas das pessoas com diabetes vivem. No caso do Brasil, essa garantia de acesso ao atendimento da saúde é explícita através do SUS para todos seus cidadãos, e está funcionando. O Programa Mais Médicos tem inúmeros exemplos de boas práticas e sucesso na luta contra a diabetes e outras doenças crônicas”, afirmou Molina.

Na ocasião, o Ministério da Saúde brasileiro apresentou a pesquisa Vigitel 2015 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), que aponta que um em cada cinco brasileiros consome doces em excesso, cinco vezes ou mais na semana. O índice é ainda maior entre os jovens: 28,5% da população de 18 a 24 anos possui alimentação com excesso de açúcar. Nessa faixa etária, 30% também costuma beber refrigerantes diariamente. O Vigitel monitora fatores de risco para doenças crônicas, atualmente responsáveis por 72% dos óbitos no país. Foram entrevistados por telefone 54 mil adultos (18 anos ou mais) que vivem nas capitais brasileiras.

O Ministério da Saúde também lançou o Manual do Pé Diabético para orientar profissionais de saúde na assistência ao paciente. Cerca de 20% das internações por essa doença se devem a lesões nos membros inferiores e 85% das amputações não traumáticas são precedidas de feridas.