0107 fasciculourm7 de julho de 2016 – O décimo primeiro fascículo da série “Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica” foi lançado nesta quinta-feira (7) pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil em conjunto com a pesquisadora Lenita Wannmacher. O tema da nova publicação, escrita pela pediatra e professora associada à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Elza Daniel de Mello, é “Tratamento da doença do refluxo gastrintestinal em crianças”.

Mello explica a diferença entre refluxo gastroesofágico (RGE) e regurgitação, condições comuns durante a infância e que costumam desaparecer espontaneamente, e a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), que requer algumas medidas após diagnóstico clínico. O RGE nada mais é que a passagem do conteúdo gástrico para o esôfago, constituindo um processo fisiológico normal, com episódios breves que geralmente não causam sintomas ou lesões. Já o DRGE é caracterizado por complicações associadas, como esofagite e problemas pulmonares, e nesses casos a criança deve seguir tratamento medicamentoso.

“Mais de 50 por cento das crianças demonstram melhora ou resolução dos sintomas com medidas conservadoras que incluem alimentos espessados, adequado volume de ingestão e fracionamento de refeições; não exposição à fumaça do tabaco; posição vertical após alimentação e decúbito dorsal para lactentes; elevação do ângulo da cama para crianças. Tratamento medicamentoso tem por base a supressão ácida, exercida por antissecretores do ácido (antagonistas H2 e inibidores da bomba de prótons)”, revela a pediatra.

De acordo com a publicação, crianças com menos de um ano que manifestam sinais e sintomas de RGE devem ser tratadas, inicialmente, com medidas alimentares e orientações posturais – com avaliação da possibilidade de alergia à proteína do leite de vaca. Já para as crianças com DRGE que não respondem às medidas conservadores, a recomendação é o tratamento com ranitidina por 8 semanas, caso haja melhora significativa.

Crianças maiores com sintomas de DRGE que não respondem às medidas conservadoras (mudanças alimentares e posturais) podem fazer teste terapêutico com omeprazol; aquelas que não responderem ao tratamento com a droga devem ser encaminhadas a consulta especializada para nova avaliação. No caso de aparecimento de esofagite, o omeprazol também pode ser administrado, mas em casos graves é preciso investir em mudanças de estilo de vida.

Sobre a série “Uso Racional de Medicamentos”
O projeto busca fornecer aos profissionais, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) informações confiáveis e isentas, com base nas melhores evidências científicas disponíveis. Nos próximos meses, serão lançados mais 9 fascículos em português e com linguagem acessível. A escolha dos temas sobre condutas terapêuticas baseou-se, principalmente, nas dez maiores causas de morte apontadas pela Organização Mundial da Saúde em maio de 2014.

Todos os 11 capítulos da série estarão disponíveis gratuitamente para download e poderão ser acessados na área de publicações da página da OPAS/OMS Brasil na internet.