05.10.16 urmanticoncepcionalsite17 de outubro de 2016 – O mais novo fascículo da série “Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica”, lançado nesta terça-feira (4), aborda opções de anticoncepção na adolescência. O artigo foi escrito por Jaqueline Neves Lubianca, médica e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Muitas gravidezes indesejadas, segundo a autora do fascículo, são resultado do emprego incorreto ou inconsistente de contraceptivos e não da falha do método. “Para evitar esse erro, a abordagem lógica é empregar métodos contraceptivos reversíveis com pequena diferença entre eficácia (índice de Pearl) e efetividade, cujo resultado dependa menos da usuária”. 

Implantes subdérmicos e dispositivos intrauterinos (DIU), chamados de métodos contraceptivos reversíveis de longa duração, são alguns dos exemplos recomendados. No caso da prescrição de anticoncepcionais orais combinados (AOC) é necessário ter cuidado com a dose de estrógeno (que pode ter efeitos sobre densidade mineral óssea na adolescência) e ao tipo de progestágeno (para evitar casos de trombose venosa profunda). 

Por fim, Jaqueline afirma ser imprescindível a apresentação de todos os métodos contraceptivos disponíveis às adolescentes, com explicações sobre os benefícios e riscos de cada um, além de informações sobre a forma correta de uso. O uso do preservativo também deve ser enfatizado para proteção contra infecções sexualmente transmissíveis (IST) e também como forma de corrigir eventuais falhas do método em uso.

Sobre a série “Uso Racional de Medicamentos”

O projeto fornece aos profissionais, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) informações confiáveis e isentas, com base nas melhores evidências científicas disponíveis. Nos próximos meses, serão lançados mais três fascículos em português e com linguagem acessível. A escolha dos temas sobre condutas terapêuticas baseou-se, principalmente, nas dez maiores causas de morte apontadas pela Organização Mundial da Saúde em maio de 2014. A publicação é uma parceria da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) com a pesquisadora Lenita Wannmacher.

O artigo está disponível para download gratuito na página da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, assim como as outras 16 publicações lançadas nos últimos meses.