21.04.2017 - hepatitesite21 de abril de 2017 – Novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que cerca de 325 milhões de pessoas no mundo vivem com infecção crônica pelo vírus da hepatite B (VHB) ou pelo vírus da hepatite C (VHC). O relatório global sobre hepatites de 2017 indica que a grande maioria dessas pessoas não tem acesso a testes e tratamentos que podem salvar vidas. Como resultado, milhões de pessoas estão em risco de uma lenta progressão para doença hepática crônica, câncer e morte.

"As hepatites virais são agora reconhecidas como um grande desafio de saúde pública que requer uma resposta urgente", disse Margaret Chan, diretora-geral da OMS. "Existem vacinas e medicamentos para combatê-la e a OMS está empenhada em ajudar a garantir que essas ferramentas cheguem a todos os que delas necessitam".

Aumento da mortalidade, novas infecções

As hepatites virais causaram 1,34 milhão de mortes em 2015, número comparável às mortes causadas por tuberculose e HIV. Entretanto, ao mesmo tempo em que a mortalidade por tuberculose e HIV tem diminuído, as mortes por hepatites estão aumentando.

Aproximadamente 1,75 milhão de pessoas foram infectadas com o VHC em 2015, elevando o número total de pessoas vivendo com hepatite C no mundo para 71 milhões.

Embora as mortes globais por hepatite estejam aumentando, novas infecções pelo VHB estão diminuindo graças ao aumento da cobertura vacinal contra o vírus entre crianças. Mundialmente, 84% das crianças nascidas em 2015 receberam as três doses da vacina recomendadas contra a hepatite B. Entre a era pré-vacina (que, de acordo com o ano de introdução pode variar desde a década de 80 até o início dos anos 2000) e 2015, a proporção de crianças menores de cinco anos com novas infecções caiu de 4,7% para 1,3%. No entanto, estima-se que 257 milhões de indivíduos, em sua maioria adultos nascidos antes da introdução dessa vacina, estavam vivendo com infecção crônica por hepatite B em 2015.

Epidemias em regiões e principais pontos

Os níveis de hepatite B variam amplamente entre as regiões da OMS, com a Região Africana e a Região do Pacífico Ocidental com a maior carga.

  • Região do Pacífico Ocidental: 6,2% da população (115 milhões)
  • Região Africana: 6,1% da população (60 milhões)
  • Região do Mediterrâneo Oriental: 3,3% da população (21 milhões)
  • Região Sudeste Asiático: 2% da população (39 milhões)
  • Região Europeia: 1,6% da população (15 milhões)
  • Região das Américas: 0,7% da população (7 milhões)

Atualmente, as injeções inseguras usadas em cuidados de saúde e o consumo de drogas injetáveis são consideradas as rotas mais comuns de transmissão do VHC. A prevalência da hepatite C nas regiões da OMS é de:

  • Região do Mediterrâneo Oriental: 2,3% da população (15 milhões)
  • Região Europeia: 1,5% da população (14 milhões)
  • Região Africana: 1% da população (11 milhões)
  • Região das Américas: 1% da população (7 milhões)
  • Região do Pacífico Ocidental: 1% da população (14 milhões)
  • Região do Sudeste Asiático: 0,5% da população (10 milhões)

Acesso ao tratamento é baixo

Atualmente, não existe vacina contra o VHC e o acesso ao tratamento para o VHB e VHC ainda é baixo.

A Estratégia Global do Setor da Saúde da OMS sobre as hepatites virais tem o objetivo de testar 90% e tratar 80% das pessoas com hepatites B e C até 2030.

O relatório observa que apenas 9% de todas as infecções pelo VHB e 20% de todas as infecções pelo VHC foram diagnosticadas em 2015. Uma fração ainda menor – 8% dos diagnosticados com infecção pelo vírus da hepatite B (1,7 milhão de pessoas) estavam em tratamento e apenas 7% dos diagnosticados com infecção pelo vírus da hepatite C (1,1 milhão de pessoas) haviam iniciado tratamento durante esse ano.

A infecção pelo VHB requer tratamento ao longo da vida e a OMS atualmente recomenda o medicamento tenofovir, já amplamente utilizado no tratamento do HIV. A hepatite C pode ser curada dentro de um tempo relativamente curto usando antivirais de ação direta altamente eficazes.

"Estamos ainda numa fase inicial da resposta às hepatites virais, mas o caminho a seguir parece promissor", disse Gottfried Hirnschall, diretor do Departamento de HIV e do Programa Global de Hepatites da OMS. "Mais países estão disponibilizando serviços de hepatite para pessoas necessitadas – um teste de diagnóstico custa menos de US$ 1 e a cura para a hepatite C pode ser inferior a US$ 200. No entanto, os dados destacam claramente a urgência com que devemos resolver as lacunas remanescentes em testes e tratamento."

Progressos nos países

O relatório global de hepatites da OMS deste ano demonstra que, apesar dos desafios, alguns países estão dando passos bem-sucedidos para aumentar a escala dos serviços de hepatites.

A China atingiu uma cobertura elevada (96%) para a dose da vacina contra o VHB após o nascimento e atingiu o objetivo de controlar a hepatite B – menos de 1% de prevalência em crianças com menos de cinco anos em 2015. A Mongólia melhorou o tratamento da hepatite incluindo VHB e VHC em seu esquema de Seguro Nacional de Saúde, que cobre 98% da população. No Egito, a concorrência genérica reduziu o preço de uma cura de três meses para a hepatite C, de US$ 900 em 2015 para menos de US$ 200 em 2016. Hoje, no Paquistão, o valor é de US$ 100.

A melhoria do acesso à cura para a hepatite C recebeu um impulso no final de março de 2017, quando a OMS pré-qualificou o ingrediente farmacêutico ativo genérico do sofosbuvir. Este passo permitirá a mais países produzir medicamentos para hepatites a preços acessíveis.

Linha de base para a eliminação

O relatório de 2017 pretende fornecer um ponto de partida para a eliminação das hepatites, indicando estatísticas de base sobre as infecções pelo VHB e VHC, incluindo a mortalidade e os níveis de cobertura de intervenções-chave. As hepatites B e C - os dois principais tipos de cinco diferentes infecções por hepatites - são responsáveis por 96% da mortalidade global pela doença.

Notas aos editores

Semana Mundial da Imunização (24 a 30 de abril): a OMS recomenda a utilização de vacinas contra 26 doenças que incluem três tipos de hepatites virais (A, B e E) evitáveis por vacinação dos cinco tipos de hepatites virais (A, B, C, D, E).

Dia Mundial da Hepatite 2017 e Cúpula Mundial de Hepatites 2017: a OMS e parceiros organizarão duas iniciativas globais de alto nível para defender uma resposta urgente às hepatites virais.

O Dia Mundial da Hepatite será comemorado em 28 de julho sob o tema "Eliminar as hepatites". A Cúpula Mundial de Hepatites, principal convenção da comunidade mundial sobre hepatites, está sendo co-organizada pela OMS, governo do Brasil e Aliança Mundial contra a Hepatite e será realizada de 1 a 3 de novembro em São Paulo, Brasil.