080917 huracanirma8 de setembro de 2017 – Países do Caribe estão avaliando os danos causados pelo furacão Irma e mobilizando engenheiros sanitaristas e outros especialistas, com a ajuda da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), para apoiar os esforços de recuperação nas ilhas mais afetadas, mesmo que o furacão se mova para outras ilhas e para o território estadunidense.

Ventos que põem vidas em perigo, marés altas e chuvas fortes já afetaram Anguilla, Barbuda, Ilhas Virgens Britânicas, Porto Rico, St. Martin, São Bartolomeu e outros países e territórios, causando danos consideráveis aos serviços essenciais.

"Nós vimos o setor de saúde severamente afetado em muitas ilhas após os efeitos devastadores do furacão Irma", disse o Ciro Ugarte, que lidera o Departamento de Emergências de Saúde da OPAS. "Nossa força-tarefa para desastres está totalmente ativada e as equipes de resposta regional estão se posicionando em todo o Caribe", acrescentou.

Especialistas técnicos em água e saneamento, infraestrutura de saúde, gestão de danos e necessidades, logística, coordenação e gerenciamento de suprimentos humanitários estão sendo distribuídos nas ilhas mais gravemente afetadas, colaborando com outras agências e muitas vezes usando o transporte militar, disse Ugarte.

Em teleconferência com a equipe de emergência da OPAS no Caribe nesta quinta-feira (7), Anguilla reportou danos extensivos aos serviços-chave, incluindo aeroportos, hospitais, escolas, estações de bombeiros e polícia, além de prisões. Uma única fatalidade foi relatada até o momento. Noventa por cento dos serviços públicos (eletricidade, telefonia móvel, cabo) estão danificados e 90% das estradas estão intransitáveis.

Em Barbuda, os relatórios iniciais indicaram danos importantes a telhados, polos de serviço público e árvores desarraigadas, com 90% das estruturas destruídas, de acordo com funcionários de Antígua e Barbuda. O acesso ao território é limitado e as avaliações de danos estão sendo realizadas.

As Ilhas Virgens Britânicas informaram que o Centro Nacional de Operações de Emergência (NEOC) foi destruído e as operações foram transferidas para um local alternativo. Muitas pessoas estão em abrigos e as avaliações de danos estão em andamento.

Porto Rico informou que grandes partes da ilha sofreram com interrupções elétricas e podem levar semanas para restaurar o serviço. Como resultado, cerca de 17% da população não tem acesso a água potável. Vários hospitais da ilha estão sem eletricidade e geradores estão sendo enviados como ajuda.

St. Martin e São Bartolomeu relataram inundações generalizadas, cortes de energia e danos aos telhados das casas. Escritórios governamentais em St. Martin foram danificados.

O furacão Irma, tempestade de categoria 5 com ventos máximos sustentados de 185 mph (cerca de 300 km/h), continua a se dirigir ao noroeste da República Dominicana, Haiti e Turcos e Caicos, antes de se mover para Cuba e Bahamas.

No Haiti, cinco equipes foram enviadas para os departamentos do norte, que provavelmente serão afetados pelo furacão, informou o escritório da OPAS no país. O planejamento da resposta está em andamento, com outras equipes em espera.

A Força-Tarefa para Desastre da OPAS fornece suprimentos de emergência aos países, incluindo kits médicos e para cólera, no caso de serem necessários. A Organização também disponibiliza seu Fundo de Emergência para desastres e tem estado em contato com outras agências para mobilizar recursos adicionais aos países afetados.