150917 huracanirma115 de setembro de 2017 – Profissionais da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) estão apoiando os esforços para o reestabelecimento dos serviços de saúde nas ilhas mais afetadas pelo furacão Irma, com o envio de especislistas em infraestrutura de saúde, engenheiros sanitários e epidemiologistas, entre outros, em colaboração com os países impactados.

Autoridades de saúde que estão nos locais afetados identificaram as necessidades em relação aos suprimentos de medicamentos. A Organização está enviando os suprimentos necessários, bem como apoiando a mobilização de profissionais de saúde para comporem as equipes nacionais. O pessoal de saúde dos países tem trabalhado sem intervalos desde a passagem do furação Irma e precisa de apoio para continuar suas atividades.

As Ilhas de Barbuda, São Martinho e São Bartolomeu, Sint Maarten, Anguila, Ilhas Virgens Britânicas, Porto Rico, Cuba, Bahamas e Ilhas Turcas e Caicos notificaram graves danos a grandes infraestruturas, hospitais e centros de saúde, junto à perda de eletricidade e o acesso limitado a água potável. O furacão também impactou, com menor gravidade, a República Dominicana, Haiti, Saba, Santo Eustáquio, São Cristovão e Neves.  

A necessidade de apoiar a rotação do pessoal de saúde nos locais afetados e a vigilância epidemiológica para detectar qualquer surto de doenças é vital nesta etapa de reposta, em particular devido à falta de água potável e acesso aos serviços de saúde, explicou Ciro Ugarte, diretor do Departamento de Emergências em Saúde da OPAS. Ele falou aos embaixadores dos países perante a Organização dos Estados Americanos (OEA).

150917 huracanirma2Danos em aeroportos, portos e estradas representam uma barreira para a entrega de assistência humanitária e para as avaliações de estragos e necessidades, disse Ugarte. No entanto, esses obstáculos estão sendo superados com o apoio dos próprios países afetados. Os profissionais da OPAS conseguiram chegar às zonas mais afetadas, utilizando os meios disponíveis, inclusive transporte militar.

Ugarte destacou que, em muitas das ilhas afetadas, a OPAS tem sido a única agência em campo, antes mesmo do furacão. Os especialistas em água e saneamento, infraestrutura de saúde, avaliação de danos e necessidades, logística, coordenação e gestão de suprimentos humanitários já estão trabalhando junto a profissionais de saúde nacionais e locais. O diretor também ressaltou o apoio solidário na resposta dos países e territórios afetados.

O furacão Irma, uma tempestade de categoria 5, chegou à terra em Antigua e Barbuda na manhã de 6 de setembro. Continuou a se mover pelo lado norte das Ilhas Leeward, antes de impactar o estado da Flórida. Ventos altamente perigosos, marés cheias e fortes chuvas causaram inundações e danos na região.