270917 draetienne27 de setembro de 2017 – Carissa F. Etienne foi reeleita nesta quarta-feira (27), pelos Estados Membros, para seu segundo mandato de cinco anos como diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Ministros da Saúde reunidos na 29ª Conferência Sanitária Pan-Americana votaram por unanimidade em Etienne. Sua candidatura, não contestada, foi apresentada pelo governo de Dominica, seu país de origem. Ela assumirá o segundo mandato como diretora da Secretaria Sanitária Pan-Americana, secretariado da OPAS, em 1 de fevereiro de 2018.

Em seu discurso de aceitação, Etienne destacou seu "compromisso em oferecer a todos os nossos povos, de todos os setores da sociedade, uma vida longa e produtiva, com atenção de qualidade em nossos últimos anos; acesso a serviços de saúde de qualidade, sem temer o empobrecimento; acesso a medicamentos e vacinas que podemos pagar, incluindo antibióticos efetivos; e proteção contra doenças evitáveis, com exposição reduzida aos vetores que transmitem enfermidades".

A atual e futura diretora disse que foram importantes o acesso aos serviços de saúde sexual e reprodutiva; alimentos saudáveis e nutritivos; e tratamento de água e saneamento adequado, além de refúgios seguros e atenção à saúde adequada diante de desastres e emergências.

"A ação do setor de saúde, por si só, não será suficiente para alcançar nossos objetivos", sublinhou Etienne. "É por isso que, quando visito seus países, encontro-me com chefes de estado e funcionários de outros setores. Olhando para além do governo, no entanto, estou convencida de que devemos mobilizar nossos parceiros na academia, na sociedade civil e no setor privado para melhorar a saúde”.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, também participa da conferência nesta semana. "Posso ver a união desta região”, disse após a unanimidade na votação para Etienne. "Eu vi sua liderança para lidar com o zika, furacões e emergências e a rapidez com que ela reage. Nós nos comunicaremos frequentemente e trabalharemos juntos de forma proveitosa".

Durante o primeiro mandato de Etienne, os países das Américas alcançaram vários marcos importantes de saúde com o apoio da OPAS. Entre eles, a eliminação da rubéola e da síndrome da rubéola congênita, em 2015, e a eliminação do sarampo, em 2016. Os países também avançaram na eliminação de doenças negligenciadas, incluindo tracoma, doença de Chagas e oncocercose (“cegueira dos rios”) e na eliminação da transmissão do HIV e sífilis de mãe para filho. Os Estados Membros da OPAS também aprovaram uma estratégia regional para alcançar a saúde universal, tornando-se a primeira região da OMS a fazê-lo.

Sob a liderança de Etienne, a OPAS apoiou os Estados Membros a lidar com grandes epidemias: zika, chikungunya e febre amarela, bem como desastres que variam de furacões e inundações catastróficas a terremotos e secas. A cooperação técnica da Organização também ajudou os países a fortalecerem suas habilidades para detectar e responder às ameaças para a saúde de potencial interesse internacional, nos termos do Regulamento Sanitário Internacional (RSI).

Conforme detalhado no Relatório Quinquenal da diretora, nos últimos cinco anos a OPAS também ajudou os Estados Membros a expandirem o acesso aos serviços de saúde, fortalecerem os sistemas regulatórios de medicamentos e outras tecnologias de saúde, melhorarem a força de trabalho da saúde, aperfeiçoarem o acesso a medicamentos seguros e eficazes e a fortalecerem os sistemas de informação de saúde para apoiar a formulação de políticas e intervenções baseadas em evidências.

Etienne começou sua carreira no Hospital Princess Margaret, em Dominica, onde foi diretora médica. Também atuou em outros cargos de alto nível em seu país, incluindo o de coordenadora do Programa Nacional de AIDS, coordenadora de desastres no Ministério da Saúde, presidente do Conselho Nacional Assessor de HIV/aids de Dominica e diretora dos Serviços de Atenção Primária à Saúde.

Ela começou seu primeiro mandato de cinco anos como diretora da OPAS em 1 de fevereiro de 2013, após ser eleita em setembro de 2012. Anteriormente, de 2008 a 2012, atuou como diretora-geral assistente de sistemas e serviços de saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra, Suíça.

Antes de assumir esse posto em Genebra, foi diretora assistente da OPAS de 2003 a 2008, responsável por cinco áreas técnicas: Sistemas e Serviços de Saúde; Tecnologia, Saúde e Pesquisa; Vigilância em Saúde e Manejo de Doenças; Saúde Familiar e Comunitária; e Desenvolvimento Sustentável e Saúde Ambiental.

Durante seus mandatos na OMS e na OPAS, Etienne liderou os esforços para promover a cobertura universal de saúde e renovar a atenção primária para fortalecer os sistemas de saúde de forma mais integrada e com um melhor funcionamento. Ela também liderou as orientações políticas para reduzir as desigualdades na saúde e promover a saúde para todos por meio de cobertura universal, atenção centrada nas pessoas, integração da saúde em políticas públicas mais abrangentes e liderança de saúde inclusiva e participativa.

Esteve fortemente envolvida na luta para ajudar os países a reduzirem a carga crescente de doenças não-transmissíveis, por meio de esforços para combater a obesidade e frenar a epidemia do tabaco. Ela também apoiou a expansão dos programas de imunização nas Américas e, no início deste mês, aceitou o prêmio “Campeã da Iniciativa contra o Sarampo e Rubéola” pelo trabalho da OPAS ao eliminar o sarampo e a rubéola das Américas.

Etienne elaborou o relatório "Financiamento de sistemas de saúde: o caminho para a cobertura universal", que foi reconhecido mundialmente por todos os países devido ao seu programa de ação para alcançar a cobertura universal e melhorar os resultados de saúde. Também presidiu a iniciativa da International Health Partnership (IHP +), que busca comprometer parceiros a trabalharem juntos e implementarem os princípios internacionais de ajuda efetiva e cooperação para o desenvolvimento no setor da saúde.