290917 diaidoso29 de setembro de 2017 – No marco do Dia Internacional da Pessoa Idosa, comemorado em 1 de outubro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) convoca para uma nova abordagem na prestação dos serviços de saúde para idosos. A OMS destaca o papel dos cuidados primários e a contribuição que os profissionais de saúde comunitários podem fazer para manter as pessoas idosas saudáveis por mais tempo. A Organização também enfatiza a importância de integrar serviços para diferentes condições. 

"Até 2050, uma em cada cinco pessoas no mundo terá mais de 60 anos", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. "É nosso objetivo garantir que todas os idosos possam obter os serviços de saúde dos quais precisam, quem quer que sejam, onde quer que vivam".

No entanto, mesmo no mundo mais “rico”, as pessoas podem não estar recebendo os serviços integrados dos quais precisam. Em uma pesquisa realizada em 11 países de alta renda, até 41% dos idosos (≥65 anos) relataram problemas na coordenação de cuidados nos últimos dois anos.

As novas diretrizes da OMS, Guidelines on Integrated Care for Older People, recomendam formas pelas quais os serviços baseados na comunidade podem ajudar a prevenir, diminuir ou reverter os declínios nas capacidades físicas e mentais dos idosos. As orientações também exigem que os prestadores de cuidados de saúde e sociais coordenem seus serviços em torno das necessidades das pessoas idosas por meio de abordagens como a avaliação integral e os planos de cuidados.

"Os sistemas de saúde do mundo não estão prontos para populações idosas", diz John Beard, diretor do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida na OMS.

"Todo mundo, em todos os níveis de saúde e assistência social, desde provedores de primeira linha até líderes seniores, tem um papel a desempenhar para melhorar a saúde das pessoas idosas. As novas diretrizes da OMS fornecem evidências para os profissionais de atenção primária, colocando as necessidades integrais dos idosos no centro da maneira que prestam cuidados, não apenas as doenças das quais eles sofrem.

Idosos são mais propensos a experimentarem condições crônicas e, muitas vezes, múltiplas condições ao mesmo tempo. No entanto, os sistemas de saúde atuais geralmente se concentram na detecção e tratamento de doenças agudas individuais.

"Se os sistemas de saúde devem satisfazer as necessidades das populações idosas, precisam prestar cuidados contínuos com foco em questões que importam para elas, como dor crônica, dificuldades para ouvir, ver e andar ou realizar atividades diárias", acrescenta Beard. "Isso exigirá uma melhor integração entre os prestadores de cuidados".

Alguns países já estão fazendo investimentos inteligentes guiados pela Estratégia Global da OMS sobre Envelhecimento e Saúde. O Brasil implementou avaliações integrais e expandiu seus serviços para idosos. O Japão integrou um seguro de longo prazo para proteger as pessoas dos custos de cuidados. A Tailândia, por sua vez, está fortalecendo a integração da saúde e assistência social o mais próximo possível de onde as pessoas vivem, enquanto o Ministério da Saúde do Vietnã desenvolverá em seu sistema integral de cuidados de saúde um grande número de clubes para cuidados de saúde de idosos, com o intuito de melhor atender suas necessidades nas comunidades.

Na Maurícia, o Ministério da Saúde fornece cobertura de saúde universal para idosos, incluindo uma rede de clubes de saúde e clínicas de cuidados primários, com serviços mais sofisticados em hospitais. Os Emirados Árabes Unidos estão atendendo as necessidades de saúde dos idosos criando cidades age-friendly (amigáveis aos idosos). Na França, um novo Centro de Colaboração da OMS chamado Gerontopole, localizado no Hospital Universitário de Toulouse, está ajudando a avançar na pesquisa, prática clínica e treinamento em Envelhecimento Saudável. 

"O cuidado integrado pode ajudar a promover um crescimento econômico inclusivo, melhorar a saúde e o bem-estar e garantir que as pessoas idosas tenham a oportunidade de contribuir para o desenvolvimento, em vez de serem deixadas para trás", conclui Beard.

Foto: Shutterstock.com/Impact Photography