Folha informativa atualizada em novembro de 2017  

Principais informações

  • A resistência aos antibióticos é atualmente uma das maiores ameaças globais à saúde, segurança dos alimentos e desenvolvimento.
  • O problema pode afetar qualquer pessoa, seja qual for sua idade ou o país em que vive.
  • A resistência aos antibióticos ocorre naturalmente, porém o mau uso desses medicamentos em humanos e animais está acelerando o processo.
  • Um número crescente de infecções – como pneumonia, tuberculose e gonorreia – está se tornando cada vez mais difícil de tratar enquanto os antibióticos utilizados têm se tornado menos eficazes.
  • A resistência aos antibióticos leva a um maior tempo de internação, aumento dos custos médicos e aumento da mortalidade.  

fs resistenciaantibioticos

Antibióticos são medicamentos usados para prevenir e tratar infecções bacterianas. A resistência aos antibióticos ocorre quando bactérias se alteram em resposta à utilização desses medicamentos. Bactérias, não seres humanos, tornam-se resistentes aos antibióticos. Elas podem infectar humanos e são mais difíceis de tratar que bactérias não resistentes.  

A resistência aos antibióticos leva ao aumento dos custos médicos, prolongando as hospitalizações e aumentando a mortalidade. O mundo necessita mudar urgentemente a forma de prescrição e de uso dos antibióticos. Mesmo que novos medicamentos sejam desenvolvidos, sem mudanças, a resistência aos antibióticos continua a ser uma ameaça. Mudanças no comportamento também devem incluir ações para reduzir a propagação de infecções por meio de vacinação, lavagem das mãos e boa higienização dos alimentos.  

Escopo do problema

A resistência aos antibióticos está crescendo para níveis perigosamente elevados em todas as partes do mundo. Novos mecanismos de resistência emergem e se espalham globalmente todos os dias, ameaçando nossa capacidade de tratar doenças infecciosas comuns. Uma lista crescente de infecções – como pneumonia, tuberculose e gonorreia – está se tornando cada vez mais difícil de tratar, às vezes impossível, com antibióticos se tornando menos eficazes.

Em países onde antibióticos podem ser comprados sem prescrição, a emergência e propagação da resistência é ainda maior. Da mesma forma, em países sem diretrizes de tratamento padrão, antibióticos são muitas vezes prescritos em excesso por profissionais de saúde e muito utilizados pelos pacientes.

Sem uma ação urgente, caminhamos para uma era pós-antibióticos, em que infecções comuns e ferimentos leves podem voltar a matar.

Prevenção e controle

A resistência aos antibióticos está sendo acelerada pelo uso inadequado de antimicrobianos, bem como déficits em estratégias de prevenção e controle de infecções. Medidas podem ser tomadas em todos os níveis da sociedade para reduzir o impacto e limitar a propagação da resistência.  

A população em geral pode ajudar:

  • Prevenindo infecções, lavando as mãos regularmente, praticando uma boa higiene alimentar, evitando contato próximo às pessoas doentes e mantendo as vacinações atualizadas.
  • Utilizando antibióticos apenas quando indicado e prescrito por um profissional de saúde.
  • Seguindo a prescrição à risca.
  • Evitando reutilizar antibióticos de tratamentos prévios que estejam disponíveis em domicílio, sem adequada avaliação de profissional de saúde.
  • Não compartilhando antibióticos com outras pessoas.  

Profissionais de saúde podem ajudar:

  • Prevenindo infecções ao garantir que as mãos, os instrumentos e o ambiente estejam limpos.
  • Mantendo a vacinação dos pacientes em dia.
  • Quando uma infecção bacteriana é suspeita, realizar culturas e testes bacterianos para confirmá-la.
  • Prescrevendo e dispensando antibióticos apenas quando eles realmente forem necessários.
  • Prescrevendo e dispensando o antibiótico adequados, assim como sua posologia e período de utilização.  

Os gestores em saúde podem ajudar:

  • Implantando um robusto plano de ação nacional para combater a resistência aos antibióticos.
  • Aprimorando a vigilância às infecções resistentes aos antibióticos.
  • Reforçando as medidas de controle e prevenção de infecções.
  • Regulamentando e promovendo o uso adequado de medicamentos de qualidade.
  • Tornando acessíveis as informações sobre o impacto da resistência aos antibióticos.
  • Incentivando o desenvolvimento de novas opções de tratamento, vacinas e diagnóstico.  

O setor agrícola pode ajudar:

  • Garantindo que os antibióticos dados aos animais – incluindo os produtores de alimentos e os de companhia – sejam utilizados apenas no tratamento de doenças infecciosas e sob supervisão de um médico veterinário.
  • Vacinando os animais para reduzir a necessidade do uso de antibióticos e desenvolvendo alternativas ao uso de antibióticos em plantações.
  • Promovendo e aplicando boas práticas em todos os passos de produção e processamento de alimentos de origem animal e vegetal.
  • Adotando sistemas sustentáveis com uma melhor higiene, biossegurança e manejo dos animais livre de estresse.
  • Implementando normas internacionais para o uso responsável de antibióticos estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal, FAO e OMS.  

A indústria da saúde pode ajudar:

  • Investindo em novos antibióticos, vacinas e diagnósticos.  

Desenvolvimentos recentes

Embora existam alguns novos antibióticos em desenvolvimento, não se espera que nenhum deles seja efetivo contra as formas mais perigosas de bactérias resistentes aos antibióticos.

Dada a facilidade e a frequência com as quais as pessoas viajam hoje, a resistência aos antibióticos é um problema global, requerendo esforços de todos os países.  

Impacto

Quando infecções já não podem ser tratadas por antibióticos de primeira linha, geralmente medicamentos mais caros devem ser utilizados. A duração maior da doença e do tratamento, muitas vezes em hospitais, aumenta os custos com cuidados de saúde, bem como o fardo econômico e na qualidade de vida sobre as famílias e as sociedades.  

A resistência aos antibióticos está colocando as conquistas da medicina moderna em risco. Sem antibióticos para a prevenção e o tratamento de infecções, transplantes de órgãos, quimioterapia e cirurgias como a cesárea podem se tornar muito mais perigosos.  

Resposta da OMS

Combater a resistência aos antibióticos é uma alta prioridade para a OMS. Um plano de ação global sobre resistência aos antimicrobianos foi aprovado na Assembleia Mundial da Saúde em maio de 2015. O plano tem o objetivo de assegurar que a prevenção e o tratamento de doenças infecciosas com medicamentos seguros e eficazes continuem. O plano de ação global tem cinco objetivos estratégicos:  

  1. Aprimorar o conhecimento e a compreensão da resistência antimicrobiana
  2. Fortalecer a vigilância e as pesquisas
  3. Reduzir a incidência de infecções
  4. Otimizar o uso de medicamentos antimicrobianos
  5. Garantir investimentos sustentáveis na luta contra a resistência antimicrobiana  

A OMS apoia os Estados Membros no desenvolvimento de seus próprios planos de ação nacionais para abordar a resistência antimicrobiana – alinhados aos objetivos do plano global.  

Crédito da foto: viewfinder/Shutterstock.com