200818 sarampoeuropa20 de agosto de 2018 – Mais de 41 mil crianças e adultos na Região Europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS) foram infectados com sarampo nos primeiros seis meses de 2018. O número total de casos para esse período excede os 12 meses reportados em todos os outros anos desta década. Desde 2010, 2017 foi o ano com maior número de casos: 23.927. Em 2016, registrou-se a menor quantidade: 5.273. Relatórios mensais de países também indicam que pelo menos 37 pessoas morreram devido à doença neste ano.

"Após o menor número de casos da década, em 2016, estamos vendo um aumento significativo de infecções e surtos estendidos", diz Zsuzsanna Jakab, diretora regional da OMS para a Europa. “Pedimos a todos os países que implementem imediatamente medidas abrangentes e adequadas ao contexto para impedir a propagação dessa doença. A boa saúde para todos começa com a imunização e, enquanto o sarampo não for eliminado, não cumpriremos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.”

Sete países da Região tiveram mais de 1.000 infecções em crianças e adultos este ano (França, Geórgia, Grécia, Itália, Federação Russa, Sérvia e Ucrânia). A Ucrânia foi a mais atingida, com mais de 23 mil pessoas afetadas; isso representa mais da metade do total regional. Mortes relacionadas ao sarampo foram relatadas em todos esses países, com a Sérvia registrando o maior número (14).

Progressos desiguais na eliminação do sarampo e da rubéola

De acordo com a última avaliação da comissão europeia de verificação regional para a eliminação do sarampo e da rubéola, divulgada nesta segunda-feira (20), 43 dos 53 Estados Membros da Região interromperam a propagação endêmica do sarampo e 42 interromperam a disseminação da rubéola (com base nos relatórios de 2017).

Ao mesmo tempo, a comissão expressou preocupação com a vigilância inadequada da doença e a baixa cobertura de imunização em alguns países. Também concluiu que as cadeias de transmissão do sarampo continuaram por mais de 12 meses em alguns países que já haviam interrompido a propagação endêmica, o que reverte seus status.

"Esse revés parcial demonstra que todas as pessoas que não estão imunes continuam vulneráveis, onde quer que seja, e todos os países devem continuar aumentando a cobertura e fechando as lacunas de imunidade, mesmo depois de terem interrompido ou eliminado a doença", disse Nedret Emiroglu, diretora da Divisão de Emergências de Saúde e Doenças Transmissíveis no Escritório Regional da OMS para a Europa.

O sarampo pode ser eliminado

O vírus do sarampo é excepcionalmente contagioso e se espalha facilmente entre os indivíduos suscetíveis. Para evitar surtos, é preciso manter pelo menos 95% da cobertura vacinal, com duas doses de vacina, em todas as comunidades, assim como os esforços para alcançar crianças, adolescentes e adultos que perderam a vacinação de rotina no passado.

Enquanto a cobertura vacinal com duas doses da vacina contra o sarampo aumentou de 88% entre as crianças elegíveis na Região em 2016 para 90% em 2017, ainda persistem grandes disparidades em nível local: algumas comunidades relatam mais de 95% de cobertura; outras, menos de 70% .

A OMS trabalha junto aos Estados Membros que atualmente enfrentam surtos para implementar medidas de resposta, incluindo uma maior imunização de rotina e suplementar, bem como uma melhor vigilância para detectar rapidamente os casos. A Organização também está atuando junto a outros países para atingir a meta de 95% de cobertura vacinal.

“Nesta conjuntura de meio termo para o plano de ação de vacinas da Europa, devemos celebrar nossas conquistas, sem perder de vista aqueles que ainda estão vulneráveis e cuja proteção requer nossa atenção urgente e permanente”, conclui Jakab. “Nós podemos deter essa doença mortal. No entanto, não teremos sucesso a menos que todos façam sua parte: se vacinem e vacinem seus filhos, pacientes e populações. Também temos que lembrar que a vacinação salva vidas.”

Todos os 53 países da Região devem rever os progressos a médio prazo em direção aos objetivos do plano de ação para vacinas na 68ª sessão do Comitê Regional da OMS para a Europa, que acontecerá em Roma, Itália, entre 17 e 20 de setembro deste ano.

Links:

WHO EpiData: Monthly reports of measles and rubella surveillance data for the European Region

WHO Regional Office for Europe’s centralized information system for infectious diseases (CISID)

7th report of the European Regional Verification Commission for Measles and Rubella Elimination