110419 maranhaoopas11 de abril de 2019 – A Organização Pan-Americana da Saúde e o governo do Maranhão deram, juntos, mais um passo em direção ao fortalecimento das ações para a redução da mortalidade materna e infantil. Nesta quinta-feira (11), o estado inaugurou na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão a “Sala CUIDAR”, uma rede de atenção às urgências e emergências obstétricas que atenderá todos os municípios do estado.

Desenhada com apoio da OPAS, a “Sala Cuidar” funcionará em tempo integral e contará com profissionais de saúde aptos a oferecer apoio técnico para o diagnóstico, manejo e tomada de decisão durante emergências obstétricas.“Temos uma equipe que trabalhará 24 horas por dia, com todos os protocolos assinados e feitos juntamente com a OPAS, baseados nas melhores evidências científicas do mundo”, afirmou Carlos Lula, secretário de Saúde do estado.

A Regional de Saúde de Balsas, área que engloba 14 municípios do sul do Maranhão, conquistou recentemente a marca histórica de zero morte materna por mais de 400 dias. O avanço foi alcançado graças à cooperação técnica entre a Secretaria de Saúde do estado, municípios envolvidos, OPAS e Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). “Em 2015, Balsas tinha os piores índices de mortalidade materna do estado. O que temos hoje é o resultado de um trabalho feito ‘de mãos dadas’”, ressaltou o secretário municipal de saúde de Balsas, Luiz Flavio Coelho.

Após os resultados positivos da cooperação técnica, segundo Lula, a redução da mortalidade materna e infantil se tornou uma política de estado. “Precisamos reduzir esses indicadores e ser exemplo para o Brasil, mostrando que é possível reduzir a mortalidade materna e ter zero mortalidade infantil”, complementou.

Suzanne Serruya, diretora do Centro Latino-Americano para Perinatologia – Saúde das Mulheres e Reprodutiva (CLAP/SMR), afirmou que não há uma fórmula mágica para reduzir a mortalidade materna e infantil, mas que hoje a ciência tem as respostas necessárias para que essa meta seja alcançada.“Temos evidências suficientes para ajudar nos momentos críticos da atenção. Sabemos que a morte de mulheres muitas vezes é uma sucessão de pequenos erros em momentos chaves”, disse.

Segundo Haydée Padilla, coordenadora da Unidade de Família, Gênero e Curso de Vida da OPAS/OMS no Brasil, os resultados obtidos no Maranhão só foram possíveis pela combinação de três pontos estratégicos: “decisão política, capacidade técnica e disponibilidade de recursos financeiros”. Para ela, essa é a equação necessária para uma tomada de decisão benéfica para toda a população.

Crédito da foto: Julyane Galvão/Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão

Leia mais:

Regional de Saúde de Balsas celebra marca de um ano sem mortes maternas em evento no Maranhão

Regional de Saúde de Balsas, no Maranhão, completa um ano sem nenhum caso de morte materna

OPAS/OMS divulga guias para ajudar gestores e profissionais de saúde a reduzirem mortes maternas por hemorragia