2018

2018-05-11 14:56:16

Folha informativa - HIV/aids

Folha informativa atualizada em novembro de 2017

Principais informações

  • O HIV continua sendo um grande problema de saúde pública mundial, com uma carga de mais de 35 milhões de mortes até o momento. Em 2016, um milhão de pessoas morreram por causas relacionadas ao HIV em todo o mundo.
  • 36,7 milhões de pessoas viviam com HIV até o fim de 2016, com 1,8 milhões novos casos de infecção pelo vírus em todo o mundo.
  • A África Subsaariana é a região mais afetada, com 25,6 (23,1-28,5) milhões de pessoas vivendo com HIV em 2015. A região também é responsável por dois terços do total global de novas infecções pelo vírus.
  • 54% dos adultos e 43% das crianças que vivem com HIV recebem a terapia antirretroviral ao longo da vida.
  • A cobertura global da terapia antirretroviral para mulheres grávidas e lactentes vivendo com HIV é alta, chegando a 76%.
  • A região africana da OMS é a mais afetada, com 25,6 milhões de pessoas vivendo com o HIV em 2016. Essa região também é responsável por quase dois terços do total global de novas infecções pelo HIV.
  • A infecção por HIV é frequentemente diagnosticada por meio de testes rápidos, que detectam a presença ou ausência de anticorpos anti-HIV. Na maioria das vezes, esses testes fornecem o resultado no mesmo dia, o que é essencial para o tratamento e a atenção precoces.
  • Há segmentos populacionais que merecem atenção especial, as conhecidas “populações-chave”, pois podem apresentar fragilidades que os tornem mais vulneráveis ao HIV/aids; independentemente do tipo de epidemia. Incluem: gays e outros homens que fazem sexo com homens, pessoas que usam álcool e outras drogas, pessoas privadas de liberdade e trabalhadoras do sexo, além de pessoas trans.
  • As populações-chave podem estar frequentemente em contextos de vulnerabilidades individuais e sociais que podem remeter tanto ao impacto quanto à transmissão do HIV e demais IST. Além disso, é ser necessário considerar as possíveis barreiras de acesso aos programas de testagem e tratamento devido ao estigma e discriminação.
  • Não existe cura para a infecção por HIV até o momento. Entretanto, medicamentos antirretrovirais eficazes podem controlar o vírus e ajudar a prevenir a transmissão para que as pessoas com HIV, e também aqueles em risco substancial, possam aproveitar uma vida saudável e produtiva. Exemplos disso são as estratégias de profilaxia de pré-exposição (PrEP), disponíveis para evitar a infecção por HIV. Por outro lado, o acesso das pessoas ao tratamento antirretroviral e a carga viral indetectável de quem está em tratamento diminui substancialmente a possibilidade da transmissão.  
  • Estima-se que, atualmente, 70 % das pessoas vivendo com HIV conhecem seu status sorológico. Para atingir as metas 90-90-90, mais 7,5 milhões de pessoas precisam ter acesso aos serviços de testagem para HIV. Em meados de 2017, 20,9 milhões de pessoas que vivem com HIV estavam recebendo a terapia antirretroviral, em todo o mundo.
  • Entre 2000 e 2016, o número de novas infecções por HIV caíram caiu em 39% e as mortes relacionadas ao HIV caíram em um terço, com 13,1 milhões de vidas salvas devido à terapia antirretroviral no mesmo período. Essa conquista foi o resultado de grandes esforços dos programas nacionais de HIV, apoiados pela sociedade civil e por uma série de parcerias institucionais e comunitárias.  


2017

2017-05-29 12:47:07

OPAS/OMS e UNODC expressam preocupação com as ações sobre drogas em São Paulo

logoopas site 330x22029 de maio de 2017 – O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) estão preocupadas com a possibilidade de se internar compulsoriamente – e em massa – pessoas usuárias de drogas em São Paulo. 



2017-04-03 22:42:56

Tema do Dia Mundial da Saúde de 2017, depressão é debatida por especialistas em evento na OPAS/OMS

depressao lets talk 220 site3 de abril de 2017 – No marco do Dia Mundial da Saúde, celebrado em 7 de abril, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil promoveu nesta segunda-feira (3) um amplo debate entre especialistas e convidados sobre depressão. Neste ano, o lema da campanha mundial é “Depressão: vamos conversar”.



2015

2015-05-11 13:25:52

Ações para superar lacunas de pesquisa e desenvolvimento em resistência a drogas antimicrobianas

O Ministério da Saúde do Brasil, em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), realizou uma reunião técnica sobre as lacunas de conhecimento em pesquisa e desenvolvimento em resistência às drogas antimicrobianas. O evento, de alto nível técnico, ocorreu em Brasília/DF, nos dias 26 e 27 de março de 2015, e contou com a participação de representantes da OMS, Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), União Europeia, países-membros da OMS (África do Sul, Alemanha,  Argentina, Estados Unidos, Indonésia, Inglaterra e Suécia), comunidade científica e organizações da sociedade civil.



2013

2013-05-08 18:55:28

Nota Técnica da OPAS/OMS no Brasil sobre internação involuntária e compulsória de pessoas que usam drogas