OMS pede oportunidades melhores e mais justas de atividade física para melhorar saúde

14 out 2021
atividade física

14 de outubro de 2021 – A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta quinta-feira (14) aos tomadores de decisão nos setores de saúde, esporte, educação e transporte para ampliar urgentemente a oferta de programas e serviços mais inclusivos e ambientes mais seguros que promovam a atividade física em todas as comunidades. O novo documento de apoio da Organização, “Fair Play: Building a strong physical activity system for more active people”, explica como isso pode acontecer.

“Há uma necessidade urgente de proporcionar às pessoas melhores oportunidades de viver uma vida ativa e saudável. Hoje, a possibilidade de as pessoas participarem de atividades físicas é desigual e injusta. Essa desigualdade só piorou durante a pandemia de COVID-19”, disse Zsuzsanna Jakab, diretora-geral adjunta da OMS. “É por isso que a OMS está intensificando ações com seus parceiros em todo o mundo para enfrentar as principais barreiras que impedem as pessoas de se tornarem mais ativas e saudáveis.”

Até 5 milhões de mortes por ano poderiam ser evitadas se a população global fosse mais ativa, no entanto, muitos vivem em áreas com pouco ou nenhum acesso a espaços onde possam caminhar, correr, andar de bicicleta ou praticar outras atividades físicas com segurança. Onde existem oportunidades, elas podem não ter sido desenvolvidas para atender às necessidades de pessoas idosas ou com deficiência.

As estatísticas da OMS revelam que um em cada quatro adultos e quatro em cada cinco adolescentes não praticam atividade física suficiente. As mulheres são menos ativas do que os homens, com uma diferença de mais de 8% a nível global (32% homens e 23%, mulheres). Os países de alta renda são mais inativos (37%) em comparação com os países de média renda (26%) e os de baixa renda (16%).

O documento de apoio Fair Play está sendo lançado durante o webinar final da OMS em uma série convocada para discutir o impacto da COVID-19 no esporte e na atividade física. O documento destaca os principais desafios e oportunidades de como os países podem construir um sistema esportivo e de atividade física mais justo, e pede a todos os parceiros que fortaleçam as colaborações e apoiem os países a escalar ações para promover a atividade física em todas as suas formas, para todas as idades e habilidades.

Fiona Bull, chefe da Unidade de Atividade Física da OMS, disse que o relatório “é informado pelas percepções e experiências, e está de acordo com as políticas da OMS. Ele fornece mensagens claras a todos os que trabalham para criar uma sociedade mais ativa sobre o que precisamos fazer. A OMS está convocando as indústrias, a sociedade civil e os governos, bem como as agências da ONU, para construir uma visão comum para a criação de sociedades mais ativas por meio do esporte, caminhadas, ciclismo e jogos.”

Existem três ações principais para ajudar a aumentar a participação: (1) parcerias mais fortes entre os setores para fornecer programas, serviços e ambientes seguros eficazes que envolvam e apoiem todos a serem ativos; (2) estruturas de governança e regulamentos mais fortes para garantir que os ambientes apoiem a atividade física segura e programas inclusivos e esportes; e (3) mecanismos de financiamento mais amplos, profundos e inovadores para construir um sistema forte e sustentável que pode fornecer atividade física e esportes para todas as idades e habilidades.

Mais informações

Fair Play: Building a strong physical activity system for more active people é um documento de apoio que pede ações urgentes. Responde ao apelo do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, para que o esporte e a atividade física ampliem sua contribuição aos esforços globais para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, e seu apelo à comunidade global para se unir e trabalhar em conjunto para implementar o soluções eficazes delineadas no plano de ação global sobre atividade física 2018-2030 em todos os países, especialmente para apoiar crianças, idosos e pessoas com deficiência. Soluções que funcionam incluem campanhas comunitárias sustentadas, programas inclusivos em comunidades locais e ambientes mais seguros que apoiam mais caminhadas e ciclismo para todos.

Para ser eficaz, a comunidade global deve abordar as principais barreiras que limitam o progresso global, a saber: 1. uso inadequado e ineficiente de recursos; 2. políticas, leis e marcos regulatórios insuficientes; e 3. um sistema fragmentado de entrega de políticas, parcerias e implementação.

As diretrizes da OMS recomendam que todos sejam regularmente ativos para obter benefícios para a saúde física e mental. Os adultos devem fazer pelo menos 150 a 300 minutos de atividade aeróbica moderada a vigorosa por semana e crianças e adolescentes uma média de 60 minutos por dia.

A OMS incentiva os países a implementarem as ações políticas delineadas no plano de ação global da OMS sobre atividade física 2018-2030 para atingir a meta de um aumento da atividade física em 15% até 2030.

Crédito da foto: Karina Zambrana/OPAS/OMS