Instrumento de Maturidade da BVS: uma ferramenta à serviço da melhoria contínua das instâncias da BVS

16 Jul 2021
modelo de madurez de laBVS

A Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), idealizada pela BIREME há 23 anos, vem apresentando para a Rede Latino-Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde um modelo de gestão de informação e conhecimento na área da saúde. Seu principal objetivo é dar visibilidade e oferecer amplo acesso ao conhecimento científico e técnico em saúde aos países da Região, diminuindo as distâncias entre evidência (ciência) e prática.

A evolução do Modelo BVS é constante, conceitual e tecnologicamente, sempre alinhada e baseada no trabalho colaborativo e em rede. Um destes importantes aprimoramentos refere-se à criação de um novo instrumento para avaliar a maturidade das instâncias de BVS em países, áreas temáticas e/ou instituições: estamos falando do Instrumento de Maturidade da BVS.

Para o desenvolvimento do Instrumento de Maturidade foram feitas várias sessões/atividades, como oficinas de cocriação entre os colaboradores da BIREME para desenho do novo instrumento, análise de outros modelos de maturidade disponíveis no mercado e realizado testes de usuário com coordenadores da Rede BVS, para validação e coleta de feedback. O instrumento de Maturidade da BVS foi criado seguindo os princípios desenvolvidos pela OPAS para o Modelo de Maturidade IS4H-MM (The Information Systems for Health Maturity Assessment Tool)[1].

O instrumento de maturidade da BVS é uma forma de avaliar as instâncias da Rede BVS na adoção de metodologias, tecnologias e boas práticas a partir de um processo de autoavaliação. Como resultado deste processo, os coordenadores das instâncias da BVS podem identificar o nível de qualidade de suas estruturas, bem como aspectos que devem ser desenvolvidos, considerando quatro dimensões/pilares: Governança, Organização e atualização de conteúdos, Comunicação e serviços aos usuários e Sistemas e tecnologia. 

Segundo Verônica Abdala, Gerente de Fontes de Informação da BIREME, “o novo instrumento para avaliação das BVS se diferencia do modelo anterior tendo como característica a mudança de foco, de certificação para melhoria contínua, utiliza métodos de avaliação como processos automatizados/sustentáveis e tem como principal valor entregue um plano de melhoria contínua para avançar de nível, e aprimorar a qualidade do produto/serviço que é oferecido pelas BVS”.

As instâncias da BVS podem ser classificadas em quatro diferentes Níveis de Maturidade, que podem ser entendidos como degraus, cuja passagem é necessária para atingir uma maturidade total na adoção do Modelo da BVS (Figura 1).

Figura 1. Níveis de maturidade da BVS

No Nível 1, o foco é na criação de consciência e adoção do Modelo: nesta etapa a formação da Rede de Instituições responsável pela governança da instância se encontra em fase inicial. Os responsáveis pelas instâncias estão capacitados e cientes do processo de desenvolvimento da BVS. As fontes de informação começam a ser organizadas seguindo as metodologias e tecnologias da BVS.

No Nível 2, o foco está na implementação de melhores práticas: nesta etapa a estrutura de governança da instância (Comitê Consultivo, Executivo e Secretária Executiva) se encontra formalmente constituída. A instância possui um portal online com um conjunto de fontes de informação operantes. As fontes de informação seguem as metodologias e tecnologias da BVS (sempre que aplicável).

Já no Nível 3, o foco está na gestão para melhoria contínua: a estrutura de governança da instância (Comitê Consultivo, Executivo e Secretária Executiva) opera de acordo com uma matriz de responsabilidades. As fontes de informação estão atualizadas e seguem critérios de seleção de conteúdos documentados. Os temas prioritários em saúde relacionados à temática da BVS são destacados no portal, com estratégias de busca formuladas para recuperar conteúdos relevantes.

No nível 4, o foco está na inovação e manutenção da estratégia de sucesso. Nesta etapa, a estrutura de governança da BVS (Comitê Consultivo, Executivo e Secretaria Executiva) se reúne periodicamente, segue um plano de trabalho pré-definido e é engajada na divulgação da BVS e na criação de novos produtos e serviços. Existem iniciativas inovadoras de produtos, serviços e/ou tecnologias de informação. Indicadores de desempenho são utilizados para o desenvolvimento de estratégias de aprimoramento. Atingindo os objetivos, a instância é reconhecida pela Rede BVS como um caso de sucesso.

Plano de Ação 2021

Projetando um processo de melhoria contínua para o fortalecimento da Rede BVS por meio da adoção do novo Instrumento de Maturidade da BVS, foi apresentado o Plano de Ação 2021. Com o resultado das avaliações realizadas pelas instâncias de BVS, foram definidas atividades a serem trabalhadas por cada uma ao longo de 2021. Serão seis encontros virtuais ao longo do ano para acompanhamento e suporte técnico/metodológico para apoiar os coordenadores da BVS no desenvolvimento das atividades do plano.

Matérias relacionadas

Resultados do Plano de Ação da Rede BVS em 2020. Boletim BIREME n° 51. Disponível em https://boletin.bireme.org/pt/2021/01/04/resultados-do-plano-de-acao-2020-da-rede-bvs/

A Rede BVS AL&C define seu Plano de Ação para 2020. Boletim BIREME n° 51. Disponível em https://boletin.bireme.org/pt/2020/03/29/a-rede-bvs-alc-define-seu-plano-de-acao-para-2020/


[1]Organización Panamericana de la Salud. Sistemas de Información Para La Salud. Acerca de la evaluación IS4H-MM. Disponible en: https://www3.paho.org/ish/index.php/es/acerca-mm