Os profissionais de enfermagem estão na linha de frente da prestação de serviços e desempenham um papel importante no cuidado com foco nas pessoas e comunidades. Em muitos países, eles atuam como líderes ou membros-chave de equipes multidisciplinares e interdisciplinares de saúde. Eles fornecem uma ampla gama de serviços em todos os níveis do sistema de saúde. Entretanto, há uma escassez de profissionais de enfermagem na Região das Américas; esta escassez é principalmente atribuível à emigração de profissionais para outras regiões, diferentes níveis de desenvolvimento econômico nos países, condições precárias de emprego, políticas de recursos humanos para trabalhadores da saúde, incluindo enfermeiros, e falta de regulamentação profissional.
  

Principais fatos

O Relatório sobre o Estado da Enfermagem no Mundo 2020: Investindo em Educação, Emprego e Liderança, publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), estima que existam 28 milhões de profissionais de enfermagem no mundo, um número que representa mais da metade de todos os profissionais de saúde. O relatório também observa que existe uma escassez global de 5,9 milhões de profissionais de enfermagem, principalmente na África, Sudeste Asiático e Mediterrâneo Oriental, bem como em alguns países da América Latina. Para reduzir a escassez global desses profissionais, é necessário aumentar o investimento nacional, aumentar o número de graduados em enfermagem, melhorar as opções de emprego e manter os profissionais no sistema de saúde. O relatório também conclui que investir em profissionais de enfermagem e obstetrícia não só permitirá melhorias no campo da saúde, mas também contribuirá para melhorar a qualidade da educação, promover a igualdade de gênero e garantir trabalho decente e crescimento econômico. Todas estas conquistas estão de acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Infográfico disponível em inglês, português e espanhol.

Folha informativa

A enfermagem abrange o atendimento autônomo e colaborativo de indivíduos de todas as idades, famílias, grupos e comunidades, doentes ou saudáveis e em todos os ambientes. Ela inclui a promoção da saúde, a prevenção de doenças e o cuidado de pessoas doentes, deficientes e no fim de vida.

Os enfermeiros estão na linha de frente na prestação de serviços e desempenham um papel importante no cuidado centrado no paciente. Em muitos países, eles são líderes ou atores-chave nas equipes multidisciplinares e interdisciplinares de saúde. Eles fornecem uma ampla gama de serviços de saúde em todos os níveis do sistema de saúde.

Para que os países atinjam o objetivo de Acesso Universal à Saúde e Cobertura Universal de Saúde, também denominado Saúde Universal, a qualidade, quantidade e relevância da força de trabalho de enfermagem devem ser garantidas.

O que a OPAS faz

Estratégia de Recursos Humanos para o Acesso Universal à Saúde e Cobertura Universal da Saúde

A 29ª Conferência Pan-Americana Sanitária (Washington, D.C., 25 a 29 de setembro de 2017) aprovou a Estratégia de Recursos Humanos para Acesso Universal à Saúde e Cobertura Universal da Saúde. A Estratégia tem três linhas de açãon:

  • Fortalecer e consolidar a governança e a liderança em recursos humanos para a saúde
  • Desenvolver condições e capacidades em recursos humanos para expandir o acesso à saúde e a cobertura sanitária, com equidade e qualidade.
  • Fazer parceria com o setor educacional para responder às necessidades dos sistemas de saúde em transformação rumo ao acesso universal à saúde e à cobertura universal da saúde.

Diretriz estratégica para a enfermagem na Região das Américas

Fornece orientação estratégica para o avanço e o fortalecimento da enfermagem nos sistemas e serviços de saúde, de acordo com as seguintes linhas de ação:

  • Fortalecer e consolidar da liderança e da gestão estratégica da enfermagem no contexto dos sistemas de saúde e na elaboração e monitoramento de políticas.
  • Abordar as condições e a capacidades de trabalho dos enfermeiros para expandir o acesso e a cobertura com equidade e qualidade, a fim de promover um modelo de atendimento centrado nas pessoas, na família e na comunidade e fortalecer tanto o nível primário de atendimento quanto as redes integradas de serviços de saúde.
  • Melhorar a qualidade da educação em enfermagem para responder às necessidades dos sistemas de saúde com foco no acesso universal à saúde, na cobertura universal da saúde e nos ODS.