• TRIBUTAÇÃO

OPAS e ACT lançam publicação sobre benefícios da tributação de bebidas adoçadas no Brasil

10 jun 2021

Brasília, 10 de junho de 2021 – A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a ACT Promoção da Saúde lançaram juntas, nesta quinta-feira (10), a publicação “Tributação das bebidas adoçadas no Brasil - para que tributar as bebidas adoçadas e como implementar essa política que faz bem para a saúde, a economia e a sociedade”. A obra recomenda a adoção de uma tributação específica para bebidas açucaradas, medida que tem se revelado uma ferramenta efetiva nos países em que já foi implementada.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a tributação específica para bebidas açucaradas. Existem, atualmente, evidências de que sua tributação impacta no preço do produto e culmina na redução de seu consumo. Além disso, ajuda na conscientização da população, que passa a fazer escolhas alimentares mais saudáveis.

De acordo com Socorro Gross, representante da OPAS e da OMS no Brasil, “as bebidas com alto teor de açúcar estão tirando a vida das nossas populações. Mesmo assim, são encontrados facilmente em quase todos os lugares e, por vezes, a preços mais baixos do que o de muitas bebidas e outros alimentos saudáveis”. A boa notícia, afirma Gross, é que temos ferramentas para mudar esse cenário.

“Já há diversas evidências que mostram que a tributação de bebidas açucaradas é uma das medidas de maior custo-benefício para a saúde”, afirmou Gross, que apresentou brevemente os casos bem-sucedidos do Chile e do México. Disse ainda que, “no caso do Brasil, além de reduzir os gastos com tratamento de obesidade e doenças relacionadas, que podem chegar a 34 bilhões de dólares por ano, esses impostos de saúde têm potencial para salvar vidas,  gerando receitas estáveis e previsíveis no curto a médio prazo e permitindo ampliar o investimento em ações de promoção da saúde e fortalecimento do nosso grandioso SUS”.

Atualmente, mais de 50 territórios pelo mundo adotam essa política pública, entre eles Peru, Equador, Chile, México, Portugal, Inglaterra, França, e algumas regiões dos Estados Unidos como as cidades de Filadélfia, São Francisco e Seattle.

Assista ao vídeo:

 

Clique aqui para acessar a síntese do relatório