• Roraima e a OPAS vão instalar uma sala de situação no estado

OPAS e Roraima discutem termo de cooperação em saúde

10 set 2020

Boa Vista, 10 de setembro de 2020 – A Secretaria Estadual de Saúde de Roraima e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) vão instalar uma sala de situação no estado. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (9) após reunião de uma equipe do organismo internacional com o secretário Estadual de Saúde de Roraima, Marcelo Lopes. Na ocasião, foi discutida a assinatura de um termo de cooperação técnica para oficializar o apoio que a OPAS tem prestado ao estado na implantação de políticas públicas de saúde.

O acordo, que terá duração de cinco anos, busca subsidiar Roraima com a análise qualificada de dados de saúde, possibilitando que os gestores tomem decisões de forma assertiva, com maior percepção de como os agravos estão ocorrendo no território.

A coordenadora de Vigilância, Preparação e Resposta a Emergências e Desastres do escritório da OPAS e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Maria Almiron, afirmou que, com esse primeiro passo, que é a instalação da sala de situação, será possível estabelecer resposta efetiva diante da ocorrência de doenças. 

“Vamos priorizar agora, enquanto emergência de saúde pública da COVID-19, a instalação física da sala de situação no estado. Com ela será possível analisar a possibilidade de ocorrência de transmissão de outras doenças, como as arboviroses (dengue, zika e chikungunya), por exemplo. Gradativamente, a gente pode discutir com o restante da equipe outros planos de trabalho de acordo com a sistemática do Estado”, concluiu, Maria Almiron.

Ainda sobre a instalação da sala de situação, o secretário Estadual de Saúde de Roraima, Marcelo Lopes, ressaltou que esse é o primeiro passo para que o estado tenha um monitoramento analítico dos indicadores de saúde. “A gente precisa ter o acompanhamento desses indicadores de forma analítica, ter a certeza que o registro dos dados está sendo feito de forma precisa para que a gente possa compartilhar com as prefeituras, com a sociedade e com os órgãos de controle. Além disso, a análise diária desses indicadores vai permitir que a gente implemente ações mais efetivas de saúde pública”, disse o secretário.

O termo de cooperação pensado para o estado é abrangente, atendendo a diversos temas da área de saúde. O documento foi dividido em cinco eixos: emergências em saúde pública; implantação da política estadual de vigilância em saúde; fortalecimento das redes de atenção; políticas de vigilância de doenças crônicas não transmissíveis e promoção à saúde; e implementação de sala de situação.