Zika

A doença causada pelo vírus zika (ZIKV) é transmitida por mosquitos do gênero Aedes, causada pelo vírus zika (ZIKV) e tem como principais sintomas febre baixa, erupções cutâneas (principalmente exantema maculopapular), dor de cabeça, dor nas articulações, dor muscular, mal-estar geral e conjuntivite não purulenta que aparecem entre 2 a 7 dias após a picada do mosquito vetor.

Uma em cada quatro pessoas infectadas pode desenvolver sintomas, mas naquelas afetadas, a doença costuma ser leve. O quadro clínico é muitas vezes semelhante ao da dengue, que é transmitida pelo mesmo gênero de mosquitos.

Principais fatos
  • O vírus foi isolado pela primeira vez em 1947 na floresta de Zika, em Uganda (África). Desde então, foi encontrado principalmente na África e gerou surtos pequenos e esporádicos na Ásia.
  • Em 2007, uma grande epidemia foi descrita na Ilha de Yap (Micronésia), onde cerca de 75% da população foi infectada.
  • Em 3 de março de 2014, o Chile notificou a OPAS/OMS sobre a transmissão autóctone do vírus zika vírus na Ilha de Páscoa. A presença do vírus foi detectada até junho daquele ano.
  • Em maio de 2015, autoridades de saúde pública brasileiras confirmaram a transmissão do vírus zika na região Nordeste do país. Em julho do mesmo ano, foi detectada a associação da doença com a síndrome de Guillain-Barré e, em outubro, observou-se a associação entre a infecção e malformações do sistema nervoso central ao nascimento, incluindo microcefalia.
  • De outubro de 2015 até hoje, outros países e territórios das Américas notificaram a presença do vírus. Veja a lista atualizada.

 

Folha informativa
Control de bebé con microcefalia provocada por Zika
Controle de bebê com microcefalia causada pelo vírus zika

Sobre o vírus zika

  • A doença causada pelo vírus zika é transmitida principalmente por mosquitos Aedes.
  • O período estimado de incubação (tempo entre a exposição e o aparecimento dos sintomas) é de 3 a 14 dias.
  • Pessoas com a doença causada pelo vírus zika podem apresentar sintomas como febre baixa, erupção cutânea, conjuntivite, dores musculares e articulares, mal-estar ou dor de cabeça. Esses sintomas geralmente duram de 2 a 7 dias.
  • Há um consenso científico de que o vírus zika é uma causa da microcefalia e da síndrome de Guillain-Barré. Links para outras complicações neurológicas também estão sendo investigados.


Sobre o Aedes aegypti

 

mosquito icon

O Aedes aegypti é o vetor de maior risco de transmissão de arbovírus nas Américas e está presente em quase todos os países do hemisfério (exceto Canadá e Chile continental). É um mosquito doméstico (que vive dentro e perto das casas) que se reproduz em qualquer recipiente artificial ou natural que contenha água.

 

Mosquito eggs

O mosquito pode completar seu ciclo de vida, do ovo ao adulto, entre 7 e 10 dias; mosquitos adultos costumam viver de 4 a 6 semanas. A fêmea Aedes aegypti é responsável pela transmissão de doenças porque necessita de sangue humano para o desenvolvimento de seus ovos e seu metabolismo. O mosquito macho não se alimenta de sangue.

 

Rising sun

O mosquito é mais ativo no início da manhã e ao anoitecer, portanto, esses são os períodos de maior risco de picadas. No entanto, as fêmeas, que precisam continuar se alimentando, buscarão fontes de sangue em outros momentos. A fêmea Aedes aegypti se alimenta a cada 3-4 dias; no entanto, se não conseguem tirar sangue suficiente, continuam se alimentando a cada momento que podem.

 

tire icon

A fêmea Aedes aegypti prefere colocar seus ovos em recipientes artificiais contendo água (principalmente tambores, barris e pneus) dentro e ao redor de casas, escolas e locais de trabalho. Os ovos do mosquito podem resistir a condições ambientais secas por mais de um ano: na verdade, esta é uma das estratégias mais importantes que a espécie emprega para sobreviver e se propagar.

 

Para eliminar os mosquitos, são recomendadas as seguintes ações: evite deixar água parada em recipientes ao ar livre (potes, garrafas ou outros recipientes que possam coletar água) para que não se tornem criadouros de mosquitos; cubra adequadamente os tanques e reservatórios de água para manter os mosquitos afastados; e evite acumular lixo, jogando-o fora em sacos plásticos fechados.

O que a OPAS faz

A OPAS/OMS está trabalhando ativamente com os países das Américas para que possam desenvolver ou manter a capacidade de detectar e confirmar casos de zika, bem como saber a forma de cuidar das pessoas afetadas por esta doença e implementar estratégias eficazes de redução da presença do mosquito e minimizar a possibilidade de um surto. O apoio é fornecido no âmbito da Estratégia de Gestão Integrada (EGI):

Resposta da OPAS à emergência de saúde pública de interesse internacional (ESPII) causada pelo virus zika