• hiv

Novo relatório revela desigualdades gritantes no acesso a serviços de prevenção e tratamento de HIV para crianças; parceiros pedem ação urgente

22 jul 2021

Quase metade (46%) das 1,7 milhões de crianças vivendo com HIV no mundo não estavam em tratamento em 2020 e 150 mil crianças foram infectadas pelo HIV, quatro vezes mais do que em 2020 (40 mil)

Genebra, 21 de julho de 2021 (OMS) — No relatório final da iniciativa Start Free, Stay Free, AIDS Free, UNAIDS e parceiros* alertam que o progresso para acabar com a AIDS entre crianças, adolescentes e mulheres jovens estagnou e nenhuma das metas para 2020 foi cumprida.

O relatório mostra que o número total de crianças em tratamento diminuiu pela primeira vez, apesar do fato de quase 800 mil crianças vivendo com HIV não estarem em tratamento atualmente. Também mostra que oportunidades de identificar bebês e crianças pequenas vivendo com HIV precocemente estão sendo perdidas - mais de um terço das crianças nascidas de mães vivendo com HIV não foram testadas. Se não forem tratadas, cerca de 50% das crianças que vivem com HIV morrem antes de atingirem seu segundo aniversário.

“Há mais de 20 anos, iniciativas a famílias e crianças para prevenir a transmissão vertical e evitar crianças que morrem de AIDS realmente deram o pontapé inicial no que agora se tornou nossa resposta global à AIDS. Isso resultou de uma ativação sem precedentes de todos os parceiros, no entanto, apesar do progresso inicial e dramático, apesar de mais ferramentas e conhecimento do que nunca, as crianças estão ficando para trás dos adultos e muito para trás de nossos objetivos”, afirmou Shannon Hader, diretora executiva adjunta para Programa do UNAIDS. “As desigualdades são flagrantes - as crianças têm quase 40% menos probabilidade do que os adultos de receber tratamento para salvar vidas (54% das crianças contra 74% dos adultos) e são responsáveis ​​por um número desproporcional de mortes (apenas 5% de todas as pessoas que vivem com HIV são crianças, mas as crianças são responsáveis ​​por 15% de todas as mortes relacionadas à AIDS). Trata-se do direito das crianças à saúde e a uma vida saudável, seu valor em nossas sociedades. É hora de reativar em todas as frentes - precisamos de liderança, ativismo e investimentos para fazer o que é certo para as crianças.”

A iniciativa Start Free, Stay Free, AIDS Free é um marco de cinco anos que começou em 2015, na sequência do enorme sucesso do Plano Global para a eliminação de novas infecções por HIV entre crianças até 2015 e manter suas mães vivas. Exigia uma abordagem super rápida para garantir que todas as crianças tenham um início livre do HIV, que permaneçam livres do HIV até a adolescência e que todas as crianças e adolescentes vivendo com HIV tenham acesso à terapia antirretroviral. A abordagem intensificou o foco em 23 países, 21 dos quais na África, responsáveis por 83% do número global de mulheres grávidas vivendo com HIV, 80% das crianças vivendo com HIV e 78% das mulheres jovens de 15 a 24 anos recentemente infectadas com HIV.

“A comunidade contra o HIV tem uma longa história de enfrentar desafios sem precedentes, hoje precisamos da mesma energia e perseverança para atender às necessidades dos mais vulneráveis - nossos filhos. Os líderes africanos têm o poder de nos ajudar a mudar o ritmo dos cuidados e devem agir e liderar até que nenhuma criança vivendo com HIV seja deixada para trás”, disse Ren Minghui, diretor-geral adjunto da Divisão de Cobertura Universal de Saúde/Doenças Transmissíveis e Não Transmissíveis da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Embora as metas de 2020 tenham sido perdidas, os 21 países em foco na África progrediram melhor do que os países sem foco. No entanto, havia grandes disparidades entre os países, e esses países ainda carregam a maior carga de doenças: 11 países respondem por quase 70% das “crianças não alcançadas” - aquelas que vivem com HIV, mas não estão em tratamento. Houve um declínio de 24% em novas infecções por HIV entre crianças de 2015 a 2020 nos países em foco, contra um declínio de 20% globalmente. Os países em foco também alcançaram 89% de cobertura de tratamento para mulheres grávidas vivendo com HIV, em comparação com 85% globalmente, mas ainda aquém da meta de 95%, e havia enormes diferenças entre os países. Por exemplo, Botswana alcançou 100% de cobertura de tratamento, mas a República Democrática do Congo atingiu apenas 39%.

“Embora estejamos profundamente angustiados com o déficit global de HIV pediátrico, também nos sentimos encorajados pelo fato de que temos em grande parte as ferramentas de que precisamos para mudar isso”, alegou Angeli Achrekar, coordenadora global interina para AIDS dos Estados Unidos. “Portanto, que este relatório seja um apelo à ação para desafiar a complacência e trabalhar incansavelmente para fechar a lacuna.”

O relatório descreve três ações necessárias para acabar com as novas infecções por HIV entre crianças nos países em foco. Em primeiro lugar, alcançar as mulheres grávidas com testes e tratamento o mais cedo possível – 66 mil novas infecções por HIV ocorreram entre as crianças porque suas mães não receberam nenhum tratamento durante a gravidez ou amamentação. Em segundo lugar, assegurar a continuidade do tratamento e supressão viral durante a gravidez, amamentação e por toda a vida — 38 mil crianças foram infectadas pelo HIV porque suas mães não receberam cuidados durante a gravidez e amamentação. Terceiro, prevenir novas infecções por HIV entre mulheres grávidas e amamentando – 35 mil novas infecções entre crianças ocorreram devido ao fato de a mulher ter sido infectada pelo HIV durante a gravidez ou amamentação.

Houve algum progresso na prevenção para que meninas adolescentes e mulheres jovens não contraiam o HIV. Nos países em foco, o número de meninas adolescentes e mulheres jovens que adquiriram HIV diminuiu 27% de 2015 a 2020. No entanto, o número de meninas adolescentes e mulheres jovens que adquiriram HIV nos 21 países em foco foi de 200 mil, o dobro da meta global para 2020 (100 mil). Além disso, a COVID-19 e o fechamento de escolas estão interrompendo muitos serviços educacionais e de saúde sexual e reprodutiva para meninas adolescentes e mulheres jovens, destacando a necessidade urgente de redobrar os esforços de prevenção do HIV para alcançar mulheres e adolescentes.

“As vidas das meninas e mulheres jovens mais vulneráveis estão em jogo, presas em ciclos profundamente arraigados de vulnerabilidade e negligência que devem ser interrompidos com urgência. Com o endosso dos Estados Membros das Nações Unidas, a nova estratégia global de AIDS compromete-nos novamente a abordar essas vulnerabilidades cruzadas para deter e reverter os efeitos do HIV até 2030. Sabemos que ganhos rápidos podem ser alcançados para meninas e mulheres jovens; o que é necessário é coragem para aplicar as soluções e disciplina para implementá-las com rigor e escala”, disse Chewe Luo, chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância e diretor associado de Programas de Saúde.

O UNAIDS e seus parceiros continuarão trabalhando juntos para desenvolver novas estruturas que abordem a agenda inacabada. Novas metas para 2025 foram oficialmente adotadas pelos Estados Membros das Nações Unidas na Declaração Política sobre HIV e AIDS de 2021: Acabando com as Desigualdades e Prosseguindo no Caminho para Acabar com a AIDS até 2030, em junho deste ano, fornecendo um roteiro para os próximos cinco anos.

“É claro que acabar com a transmissão vertical requer abordagens inovadoras que apoiem toda a mulher ao longo da vida, incluindo esforços intensificados de prevenção primária, como profilaxia pré-exposição (PrEP), acesso a cuidados reprodutivos integrais e atenção concentrada em meninas adolescentes e mulheres jovens. O relatório inclui as novas metas para 2025 que, se cumpridas, impulsionarão uma nova era de prevenção e tratamento do HIV para mulheres, crianças e famílias. Este não é o momento para complacência, mas sim uma oportunidade para redobrar os investimentos e reduzir e eliminar a transmissão vertical”, afirmou Chip Lyons, presidente e diretor executivo da Elizabeth Glaser Pediatric AIDS Foundation.

*United States President’s Emergency Plan for AIDS Relief (PEPFAR), UNAIDS, UNICEF e OMS, com apoio da Elizabeth Glaser Pediatric AIDS Foundation.