OPAS destaca importância de participação de toda sociedade na promoção do aleitamento materno, em lançamento de campanha no Brasil

29 jul 2021
OPAS participou do lançamento da campanha “Todos pela amamentação. É proteção para a vida inteira”

Aleitamento materno deve ser mantido neste contexto de pandemia, inclusive caso haja suspeita ou confirmação de infecção da mãe por COVID-19

Brasília, 29 de julho de 2021 – A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) participou nesta quinta-feira (29) do lançamento, pelo Ministério da Saúde do Brasil, da campanha “Todos pela amamentação. É proteção para a vida inteira”, feita no marco da Semana Mundial do Aleitamento Materno.

O objetivo é promover o aleitamento materno e incentivar a amamentação no país até os dois anos de idade ou mais e, de forma exclusiva, nos seis primeiros meses de vida. A publicidade será veiculada em sites, redes sociais e outros meios de divulgação no período de 30 de julho a 15 de agosto deste ano.

“Cabe a nós, como Ministério da Saúde, incentivar e fortalecer cada vez mais essa iniciativa para que todas as mães possam amamentar. Amamentar é preciso. Só assim teremos uma geração mais forte e resistente”, disse o secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde do Brasil, Raphael Câmara.

Na mesma linha, a representante da OPAS e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Socorro Gross, lembrou que o sucesso da amamentação não é responsabilidade exclusiva da mãe e sim de toda a sociedade: comunidades, empregadores, famílias, governos, profissionais de saúde, meios de comunicação. “Somente dessa maneira nós vamos ter gerações mais fortes, mais inteligentes, com mais resiliência, menos obesidade”.

Ela citou também importantes ações do Brasil nessa área, como a Iniciativa Hospital Amigo da Criança, o Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 Anos e a Rede Brasileira de Banco de Leite Humano, que é um dos Centros Colaboradores da OPAS/OMS e um importante espaço de intercâmbio e inovação tecnológica. Também destacou a legislação brasileira de proteção ao aleitamento materno, que é estreitamente alinhada ao Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno da OMS.

Fizeram parte da mesa principal da cerimônia de lançamento a coordenadora geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Janini Selva Ginani; o secretário de Estado de Saúde de Rondônia, Fernando Máximo; o diretor do CONASEMS, Geraldo Reple; o presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Luciano Santiago; e o secretário de Estado de Saúde do Distrito Federal, Osnei Okumoto.

COVID-19 não deve ser obstáculo para amamentação

No mundo, apenas quatro em cada dez (44%) crianças são amamentadas exclusivamente nos primeiros 6 meses de vida. Na região das Américas, essa taxa é de 38% das crianças e somente 32% continuam sendo amamentadas até os dois anos. Especificamente na América Latina e no Caribe, menos da metade dos bebês (48%) são amamentados em sua primeira hora de vida.

É preciso aumentar essas taxas para alcançar a meta de 50% de amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida até 2025, uma das Metas Globais de Nutrição, e de 70% até 2030, uma das metas da Agenda 2030.

Para a OPAS e a OMS, o aleitamento materno deve ser mantido no atual contexto de pandemia, inclusive caso haja suspeita ou confirmação de infecção da mãe por COVID-19. Um estudo publicado na Lancet já mostrou que os benefícios da amamentação e o contato pele a pele após o nascimento superam de 65 a 630 vezes qualquer risco de morte que o coronavírus possa representar para o bebê. E, para que isso seja feito com maior segurança, é necessário garantir o aleitamento materno com higienização das mãos, etiqueta respiratória e uso de máscaras.

Semana Mundial do Aleitamento Materno 2021

A Semana Mundial do Aleitamento Materno, comemorada a cada ano na primeira semana de agosto, é uma campanha global para conscientizar e galvanizar ações sobre temas relacionados à amamentação. A OPAS se junta à comunidade global para apoiar os esforços e fortalecer medidas para proteger, promover e apoiar o direito ao aleitamento materno na Região das Américas.

Para a campanha deste ano, a Aliança Mundial para a Amamentação (WABA, na sigla em inglês) focou em como o aleitamento materno contribui para a sobrevivência, saúde e bem-estar de todos, bem como no imperativo de proteger a amamentação em todo o mundo.

Benefícios da amamentação para o bebê e a mãe

A amamentação exclusiva até os seis meses traz muitos benefícios para o bebê e a mãe. A principal delas é a proteção contra infecções gastrointestinais. O início precoce do aleitamento materno, dentro de 1 hora após o nascimento, protege o recém-nascido de adquirir infecções e reduz a mortalidade neonatal. O risco de mortalidade devido à diarreia e outras infecções pode aumentar em bebês que são parcialmente amamentados ou que não amamentaram. 

O leite materno também é uma fonte importante de energia e nutrientes para crianças de 6 a 23 meses. Pode fornecer metade ou mais das necessidades de energia de uma criança entre as idades de 6 e 12 meses e um terço das necessidades de energia entre 12 e 24 meses.

Crianças e adolescentes que foram amamentados quando bebês têm menos probabilidade de apresentar sobrepeso ou obesidade. Além disso, têm melhor desempenho em testes de inteligência e têm frequência escolar superior. A amamentação está associada ainda a maior renda na vida adulta.

O aleitamento materno de longa duração também contribui para a saúde e o bem-estar das mães: reduz o risco de câncer de ovário e de mama e ajuda a espaçar gestações – a amamentação exclusiva de bebês com menos de seis meses tem um efeito hormonal que geralmente induz a falta de menstruação.