Recuperação e resiliência dos sistemas de saúde devem estar no topo da agenda da Cúpula das Américas de 2022, afirma diretora da OPAS

24 Mar 2022
Doctor offering support to patient
24 Mar 2022

Washington D.C., 24 de março de 2022 (OPAS) – Às vésperas da Cúpula das Américas deste ano, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, pediu aos países que invistam urgentemente em sistemas de saúde que sejam “inclusivos, integrais e com capacidade de resposta” para mitigar o impacto de pandemias e outras emergências de saúde.

Etienne discursou durante a sessão especial virtual “Saúde, Recuperação e Resiliência: Cúpula das Américas 2022”, que ocorre paralelamente à 16ª Sessão do Subcomitê para Programas, Orçamento e Administração (SPBA16) da OPAS.

Liderado pela OPAS e Kevin Michael O'Reilly, coordenador nacional da Cúpula das Américas no Departamento de Estado dos Estados Unidos, o evento forneceu aos Estados Membros da Organização e às Missões da Organização dos Estados Americanos (OEA) uma visão geral de como a pandemia de COVID-19 ampliou as barreiras existentes à saúde universal, particularmente entre comunidades vulneráveis, e enfatizou os sistemas de saúde resilientes como um fator-chave compromisso da agenda da Cúpula de 2022.

A 9ª Cúpula das Américas será sediada pelos Estados Unidos e realizada em Los Angeles, Califórnia, de 6 a 10 de junho de 2022. Reunirá líderes dos países da região para abordar desafios e oportunidades compartilhados sob o tema “Construindo um futuro sustentável, resiliente e equitativo” para o hemisfério.

A diretora da OPAS destacou que o tema da Cúpula deste ano reflete uma “urgência sem precedentes de abordar as desigualdades de longa data na região, por meio de ações sustentadas para construir sistemas e sociedades de saúde resilientes”.

A pandemia de COVID-19 impactou a vida, a saúde e o bem-estar das pessoas nas Américas, reduzindo o PIB da América Latina em 6,8% e empurrando 209 milhões de pessoas para a pobreza e 78 milhões para a pobreza extrema em 2020, segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

A pandemia também teve um impacto negativo significativo na prestação de serviços de saúde, com 93% dos países da região continuando a relatar interrupções nos serviços essenciais de saúde. “Sem a capacidade de detectar, responder e mitigar o impacto de pandemias e outras emergências de saúde pública, o desenvolvimento sustentável não pode ser alcançado”, ressaltou Etienne.

O'Reilly destacou o compromisso dos Estados Unidos em atender às necessidades mais prementes que nosso planeta enfrenta – a crise climática, a falta de acesso equitativo a oportunidades econômicas, sociais e políticas. "É aí que a carga recai mais fortemente sobre os mais vulneráveis ​​e os menos representados entre nós em nossas sociedades. Queremos uma Cúpula que responda às necessidades e prioridades dos povos das Américas.”

A OPAS também propôs que o Compromisso Político e o Plano de Ação sobre Saúde e Resiliência da Cúpula sejam construídos com base na visão de alcançar a saúde universal nas Américas, incluindo o fortalecimento das capacidades de preparação e resposta a emergências em todos os países da região.

O Plano de Ação vai propor políticas e marcos regulatórios para os sistemas de saúde da região; formas de aumentar a força de trabalho em saúde; modelos de financiamento da saúde; expansão das capacidades de produção de material médico; e aplicação de ferramentas digitais.

“À medida que começamos a emergir de uma pandemia que impactou a vida e os meios de subsistência de milhões nas Américas, o Compromisso Político e o Plano de Ação sobre Saúde e Resiliência são um pilar central da Cúpula deste ano e o caminho para um futuro melhor para a região”, disse a diretora da OPAS.

A Organização está pronta para apoiar o desenvolvimento do Plano de Ação como componente crucial para “acelerar nossa recuperação na saúde e além, e a conquista de um futuro sustentável, resiliente e equitativo”, acrescentou Etienne.