Mais deve ser feito para proteger força de trabalho da enfermagem à medida que casos de COVID-19 aumentam nas Américas, afirma diretora da OPAS

4 Maio 2022
Profissionais de enfermagem
4 Maio 2022

Profissionais de enfermagem desempenham um papel central nos programas de vacinação e no cuidado aos que adoecem. Os países devem dobrar os investimentos e melhorar as políticas para apoiar a “espinha dorsal” dos sistemas de saúde

Washington D.C., 4 de maio de 2022 (OPAS) – À medida que os casos de COVID-19 e as hospitalizações pela doença voltam a aumentar nas Américas – 12,7% desde a semana passada –, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, pediu aos países que aumentem urgentemente investimentos para desenvolver e reter a força de trabalho da enfermagem.

“Em todas as Américas, os profissionais de enfermagem enfrentaram bravamente o peso da pandemia e muitos lutaram contra o esgotamento e as condições de saúde mental”, com alguns saindo da área e outros deixando a força de trabalho, disse a diretora na coletiva de imprensa da OPAS realizada nesta quarta-feira (4).

Profissionais de enfermagem são a espinha dorsal da força de trabalho em saúde, especialmente durante a pandemia, representando 56% da equipe de saúde e fornecendo serviços de atenção primária, apoio à saúde mental e proteção do bem-estar de indivíduos, comunidades e famílias.

Antes do Dia Internacional da Enfermagem, comemorado em 12 de maio, Etienne agradeceu aos profissionais da área por desempenharem um papel central na atenção às pessoas com COVID-19 e por terem sido fundamentais para o lançamento de 1,8 bilhão de doses da vacina contra a doença na região.

“Hoje, os profissionais de enfermagem carregam a dupla carga de cuidar de pacientes com COVID-19 e recuperar as pessoas que perderam os exames de rotina nos últimos dois anos”, ressalta a diretora da OPAS.

Com um déficit de enfermeiras e enfermeiros estimado em 1,8 milhão até 2030 nas Américas, é essencial que “dobremos nossos investimentos no aumento de nossa força de trabalho de enfermagem e cuidemos dos profissionais existentes para que possam continuar cuidando de nós”, acrescentou Etienne.

A diretora da OPAS pediu aos países que implementem políticas claras para desenvolver e reter a força de trabalho em saúde, inclusive por meio da remuneração adequada, desenvolvimento de oportunidades de liderança sênior e elevando enfermeiras e parteiras dentro dos governos e dos Ministérios da Saúde.

Apoiar a saúde mental dos profissionais de enfermagem também é crucial. Um estudo da OPAS sobre profissionais de saúde e COVID-19 mostra que quase um quarto dos trabalhadores entrevistados em 2020 apresentavam sintomas de episódio depressivo.

Alguns países estão abordando esta questão implementando serviços de saúde mental e linhas diretas. A OPAS está lançando um curso de autocuidado voltado especificamente para profissionais de saúde e, na sexta-feira, 6 de maio, lançará uma Comissão de Alto Nível sobre Saúde Mental e COVID-19 para examinar mais de perto o impacto da pandemia na saúde mental nas Américas.

Em relação à situação da COVID-19, mais de 616 mil novos casos foram notificados nas Américas na semana passada, com mais de 4,2 mil mortes. No Caribe, o número de novas infecções aumentou 15,4% e as mortes aumentaram pela terceira semana consecutiva – 39,6%.

Embora as mortes continuem diminuindo na América Central, o número de novas infecções aumentou 53,4%, com três dos sete países notificando aumentos.

Na América do Norte, os casos aumentaram 27,1% nos Estados Unidos, enquanto Canadá e México registraram declínios em novas infecções.

A América do Sul registrou uma redução geral de 8% nos casos, embora sete países tenham notificado um aumento de novas infecções.