Aquisição de vacinas contra COVID-19 deve aumentar, afirma diretora da OPAS

29 set 2021
COVID-19 vaccine

A diretora enfatizou a necessidade de várias estratégias para aumentar o acesso às vacinas contra a COVID-19, incluindo a expansão da produção global “aproveitando a experiência e a capacidade de regiões como a nossa”

Washington, DC, 29 de setembro de 2021 (OPAS) – A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, anunciou nesta quarta-feira (29) que o organismo internacional firmou um acordo com a Sinovac e está em negociações avançadas com outros fabricantes para adquirir vacinas contra a COVID-19 adicionais em nome de países para complementar acordos bilaterais, doações e doses recebidas por meio do mecanismo COVAX.

“Chegamos a um acordo com a Sinovac e começamos a aceitar pedidos que estarão prontos para entrega este ano, e esperamos assinar novos acordos nos próximos dias para comprar vacinas que tenham aprovação da Lista de Uso Emergencial de outros fornecedores para 2021 e 2022”, disse Etienne em uma coletiva de imprensa.

Etienne afirmou também que a OPAS até agora ajudou o COVAX a entregar 50 milhões de doses de vacinas, incluindo quase 14 milhões de doses doadas. “Temos a capacidade de escalar rapidamente esse apoio, por isso pedimos aos países que não atrasem suas doações, pois hoje há vidas em jogo”. O COVAX é um mecanismo internacional coliderado pela OMS, GAVI Vaccine Alliance, CEPI e UNICEF para tornar a distribuição das vacinas contra COVID-19 mais justa.

A diretora da OPAS pediu a expansão da capacidade de fabricação na região “para construir um suprimento mais sustentável e confiável de vacinas e tecnologias médicas”. Ela destacou os avanços em uma plataforma liderada pela OPAS para acelerar o desenvolvimento e a produção de vacinas de mRNA. Na semana passada, a Organização anunciou a escolha de dois centros, na Argentina e no Brasil, para desenvolver vacinas contra a COVID-19 com a mesma tecnologia usada pela Pfizer e Moderna.

“Esta é uma iniciativa estratégica porque a tecnologia de mRNA também pode ser usada para desenvolver outras vacinas de vírus para problemas de saúde pública relevantes em nossa região, como zika, dengue e outros”, disse Etienne.

A OPAS também está convidando fabricantes de produtos farmacêuticos públicos e privados que podem desenvolver e produzir componentes essenciais para vacinas de mRNA para se tornarem parte de sua plataforma regional, acrescentou a diretora da Organização.

Etienne observou que mais de um bilhão de doses de vacinas contra a COVID-19 foram administradas nas Américas desde que se tornaram disponíveis, em 2021, mas apenas 35% das pessoas na América Latina e no Caribe foram totalmente vacinadas.

Embora Canadá, Chile, Uruguai e Porto Rico tenham vacinado totalmente mais de 70% de suas populações, 10 países e territórios da região ainda não atingiram 20% de suas populações. Entre eles estão Nicarágua, Jamaica, São Vicente e Granadinas, Guatemala, Venezuela, Santa Lúcia, Bahamas, Honduras e Granada. No Haiti, menos de 1% das pessoas foram protegidas até o momento.

De acordo com Etienne, as Américas notificaram na semana passada quase 1,5 milhão de novas infecções por COVID-19 e mais de 26 mil mortes relacionadas à doença, mais do que qualquer outra região. Na América do Norte, o Canadá está testemunhando um aumento nas infecções e mortes. Nos EUA, os casos diminuíram na última semana; no entanto, as mortes têm aumentado. Durante o mesmo período, o México registrou uma diminuição na transmissão, disse.

A maioria das pequenas ilhas do Caribe está experimentando aumentos de casos, com hospitais em Santa Lúcia relatando falta de oxigênio e pessoal, à medida que as hospitalizações continuam aumentando. Em muitos países e territórios, “o esgotamento dos profissionais de saúde continua sendo uma preocupação, pois os hospitais estão sobrecarregados com pacientes com COVID-19”, afirmou a diretora da OPAS.