Colômbia recebe as primeiras vacinas contra a COVID-19 que chegam às Américas por meio do COVAX

1 mar 2021
Vacunación COVID-19 en Colombia

Washington D.C., 1 de março de 2021 – A Colômbia se tornou nesta segunda-feira (1) o primeiro país nas Américas a receber vacinas contra a COVID-19 por meio do mecanismo COVAX, marcando um passo histórico em direção à meta de garantir a distribuição equitativa das vacinas na região e no mundo.

A entrega faz parte da iniciativa "First Wave" (“Primeira Onda”, em tradução ao português), um programa piloto global no qual alguns países recebem a entrega antecipada de um número limitado de doses da vacina Pfizer/BioNTech como parte de sua cota total atribuída. Espera-se que mais doses das vacinas Pfizer/BioNTech e AstraZeneca/Oxford cheguem nas próximas semanas aos 36 países que participam do mecanismo na região.

“Com o apoio dos parceiros do COVAX, a Colômbia trabalhou muito para poder receber sua primeira onda de vacinas e presto homenagem a todos aqueles que se prepararam diligentemente para esta chegada”, declarou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. "A chegada significa que mais profissionais de saúde e populações de alto risco podem começar a ser vacinados. A pandemia de COVID-19 só pode terminar se a vacinação ocorrer de forma equitativa e estou realmente feliz em ver as doses da vacina na América do Sul e em outras regiões começam a ser enviadas esta semana por meio do COVAX."

As 117 mil doses da vacina Pfizer/BioNTech que chegaram hoje ao Aeroporto Internacional El Dorado, em Bogotá, capital da Colômbia, marcam o início da implantação das vacinas adquiridas pelo COVAX na América Latina e acontecem cerca de um ano após o primeiro caso ser detectado na região.

Durante um evento para anunciar a chegada das vacinas na Colômbia, o presidente Iván Duque afirmou: “Hoje é um marco muito importante, hoje o COVAX faz sua primeira entrega no Hemisfério Ocidental e o primeiro país a recebê-la é a Colômbia. Nós apreciamos o trabalho conjunto, combinado e articulado (com parceiros da OPAS/OMS, Gavi e COVAX)".

 Presidente de Colombia,  Iván Duque anuncia el arribo de las vacunas contra COVID-19.
Presidente da Colômbia, Iván Duque, anuncia chegada das vacinas contra a COVID-19

Afirmando que a Colômbia está comprometida com o multilateralismo, o presidente do país disse que com esta primeira entrega na região "está claro que o COVAX está ativo e funciona" e pediu "a todos que aceleremos a distribuição de vacinas por meio do COVAX nas Américas”.

As vacinas do mecanismo COVAX se somam à campanha de vacinação que o governo colombiano iniciou em 17 de fevereiro com doses obtidas em acordos bilaterais com os produtores. A Colômbia espera receber 20 milhões de doses de vacinas por meio do COVAX em 2021.

Com mais de 50 milhões de casos confirmados e mais de 1,2 milhão de mortes, os países das Américas sofreram o pior impacto da COVID-19. A região precisará imunizar aproximadamente 700 milhões de pessoas para controlar a pandemia.

“A chegada dessas primeiras doses à Colômbia por meio do COVAX é um passo encorajador na luta contra esse vírus nas Américas”, afirmou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne. “Em um contexto em que a disponibilidade de doses ainda é muito limitada, a OPAS continuará apoiando os grandes esforços dos países da região para obter o máximo de vacinas o mais rápido possível”.

Além da Colômbia, Peru, El Salvador e Bolívia devem receber em breve vacinas da Pfizer/BioNTech como parte da iniciativa "Primeira Onda". Os países devem finalizar os requisitos administrativos, legais e regulatórios para avançar com o processo.

Seguindo a recente lista de uso emergencial da OMS de duas versões da vacina contra a COVID-19 da AstraZeneca/Oxford, espera-se que todos os países da América Latina e do Caribe comecem a receber as primeiras doses dessas vacinas por meio do COVAX a partir de março, se todas as condições necessárias forem atendidas . Essas vacinas são produzidas pela AstraZeneca-SK Bioscience (República da Coreia) e pelo Serum Institute of India.

Nessa primeira fase, todos os países receberão doses para vacinar entre 2,2% e 2,6% de sua população, conforme indicação do produtor. As únicas exceções são os pequenos Estados insulares em desenvolvimento, que receberão vacinas suficientes para cobrir de 16% a 20% de sua população devido ao seu tamanho e ao alto custo logístico de entrega de pequenas quantidades de vacina.

O acesso às vacinas por meio do COVAX aumentará constantemente a cada mês e estima-se que cerca de 280 milhões de doses cheguem às Américas e ao Caribe até o final de 2021.

Até que a vacinação se espalhe pela população, as medidas básicas de saúde pública continuam sendo a base da resposta à pandemia. Para as autoridades de saúde pública, isso significa testes de diagnóstico, rastreamento de contatos, isolamento, quarentena assistida e atendimento de qualidade. E, para os indivíduos, significa continuar praticando o distanciamento físico, a higienização das mãos, o uso de máscaras, a ventilação dos espaços e evitar aglomerações.

O mecanismo COVAX é parte de um esforço global sem precedentes para fornecer vacinas para pelo menos 20% da população de cada país participante até 2021 e proteger aqueles que estão em maior risco de formas graves da COVID-19 e salvar vidas. Nas Américas, 36 países receberão vacinas por meio do COVAX, 26 das quais serão autofinanciadas e dez delas serão gratuitas.

O Fundo Rotatório da OPAS é o mecanismo designado pelo COVAX para adquirir as vacinas em nome dos países da região.

O COVAX é coliderado pela Gavi, a Vaccine Alliance, OMS e Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI) e trabalha em parceria com o UNICEF e o Fundo Rotatório da OPAS, bem como como o Banco Mundial, organizações da sociedade civil, fabricantes e outros.