A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) recomenda a todos os cidadãos das Américas (turistas, torcedores, membros das delegações e jornalistas) que viajarão para assistirem à Copa do Mundo de Futebol de 2014, para que se vacinem contra o sarampo e rubéola, a fim de evitar que adoeçam e para poder manter a eliminação dessas doenças em nossa Região.  Nas Américas, o sarampo foi eliminado em 2002, e a rubéola, em 2009. Considerando o risco de importação dos vírus do sarampo e da rubéola nas Américas, e diante da realização da Copa do Mundo de Futebol no Brasil, de 12 de junho a 13 de julho, a OPAS/OMS recomenda às autoridades nacionais de saúde as seguintes ações:

1. Viajantes

Antes da viagem


1. Orientar todos os viajantes maiores de seis meses de idade, sem comprovante de vacinação, que pelo menos duas semanas antes de viajar recebam a vacina contra o sarampo e a rubéola, preferivelmente a vacina tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba).

2. Os viajantes que não foram vacinados contra estas doenças têm o risco de contraí-las ao entrar em contato com viajantes procedentes de países onde ainda circula o vírus.

3. A exceção a esta recomendação será para as pessoas que não podem ser vacinadas por recomendação médica. Também não devem ser vacinados os lactantes menores de seis meses. Os lactantes que receberam a vacina tríplice viral antes de um ano de idade deverão voltar a vacinar-se conforme o esquema de vacinação do país.

4. As pessoas que podem ser consideradas imunes ao sarampo e à rubéola são aquelas que:
• Possuem documento que comprova que já receberam a vacina contra o sarampo e a rubéola.
• Têm confirmação de imunidade contra o sarampo e a rubéola (anticorpos IgG específicos), emitida por laboratório qualificado.

Durante a viagem

1. Assegurar-se que os viajantes estejam atentos aos seguintes sintomas:

• Febre
• Erupção cutânea
• Coriza ou conjuntivite
• Dor nas articulações
• Linfadenopatia (gânglios inflamados)

2. Se há suspeita de que o viajante esteja com sarampo ou rubéola, recomenda-se:

• Buscar ajuda médica e permanecer no local onde está hospedado.
• Não iniciar nova viagem nem circular em lugares públicos. 
• Evitar a automedicação.
• Evitar o contato com outras pessoas durante sete dias, a partir do começo da erupção cutânea.

Se o viajante necessitar de assistência médica no Brasil, recomenda-se procurar o serviço de saúde mais próximo ou contatar as autoridades de saúde pelo telefone 192 (serviço de atenção móvel de urgência).

Informações sobre os serviços de saúde oferecidos pelas autoridades do Brasil podem ser acessadas no endereço eletrônico www.saude.gov.br/viajante.

Depois da viagem

1. Se o viajante suspeita que esteja com sarampo ou rubéola, recomenda-se procurar um médico e evitar o contato com outras pessoas, permanecendo em um único local.
2. Se o viajante apresenta algum dos sintomas anteriormente mencionados, recomenda-se informar o médico sobre sua viagem.



2. Trabalhadores da área da saúde

1. A OPAS/OMS promove a prática de solicitar comprovante de vacinação contra o sarampo e a rubéola como um requisito para o emprego no setor de atenção à saúde (pessoal médico, administrativo e de segurança).

2. Devido ao fato de que os viajantes internacionais podem buscar atenção em centros privados de saúde, recomenda-se sensibilizar os trabalhadores do setor para garantir a notificação imediata diante da suspeita destas doenças, a fim de permitir a implementação de uma resposta oportuna, segundo as normas do sistema nacional de vigilância.


3. Pessoas que tenham contato com viajantes antes e depois da viagem

A OPAS/OMS possui as seguintes recomendações para aquelas pessoas e/ou instituições que tenham contato com viajantes antes e depois da viagem:

1. Recomendar às pessoas que trabalham com turismo, transporte e meios de comunicação que recebam a vacina contra o sarampo e a rubéola.

2. Solicitar às agências de viagem, centros autorizados para a venda de ingressos para a Copa do Mundo de Futebol e todas as instituições vinculadas ao turismo a disseminação das recomendações descritas, para que todo viajante esteja atento e possa tomar as medidas necessárias antes de iniciar sua viagem.

3. Realizar uma campanha de informação sobre os sintomas do sarampo e da rubéola para que os viajantes que apresentem sintomas possam recorrer imediatamente aos serviços de saúde. Essa campanha deve incluir canais de informação como aeroportos, portos, estações rodoviárias, agências de viagem e companhias aéreas, entre outros.


4. Links úteis

Página de imunização da OPAS
Página de saúde do viajante do Ministério da Saúde do Brasil
Boletim epidemiológico de sarampo da OMS
Jogos e locais da Copa do Mundo de 2014