OPAS pede melhora no acesso à saúde para populações afrodescendentes no contexto da COVID-19

2 dez 2020
Young man

Diretora da OPAS considerou que pandemia é um chamado urgente à ação contra as desigualdades raciais em uma região onde as pessoas negras representam aproximadamente um quinto da população

Washington D.C., 2 de dezembro de 2020 – A pandemia de COVID-19 "afeta desproporcionalmente os mais vulneráveis, especialmente os afrodescendentes", disse nesta quarta-feira (2) a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, e pediu às autoridades de saúde das Américas que enfrentem este desafio, que qualificou como "urgente".

Em coletiva de imprensa, Etienne afirmou que a OPAS considera "este um tema prioritário, por isso o integrou a seus programas", apostando em dados para poder oferecer serviços de prevenção e cuidados melhores e mais específicos sobre a maior participação de afrodescendentes em programas de saúde voltados para esta população e no melhor acesso aos serviços de saúde.

Embora os dados para a região sejam limitados, as taxas de mortalidade entre brasileiros negros e pardos são 1,5 vezes maiores que as dos brancos. No Equador, homens afrodescendentes têm três vezes mais chances de morrer por COVID-19 do que mulheres e 50% mais do que os homens da população mestiça do país, Etienne explicou. "Nos Estados Unidos, os CDC relataram que uma pessoa negra tem 2,6 vezes mais probabilidade de contrair o vírus e duas vezes mais probabilidade de morrer por COVID-19 do que uma pessoa branca", acrescentou.

“Esta carga desproporcional não é registrada exclusivamente com a COVID-19; na verdade, isso se reflete em todos os nossos indicadores de saúde, de doenças crônicas não transmissíveis a resultados de saúde materna, especialmente para mulheres negras, que normalmente têm mais dificuldade de acessar os serviços de saúde dos quais precisam”, disse a diretora da OPAS.

Os afrodescendentes representam cerca de um quinto da população da Região das Américas. Compõem o grupo racial dominante na maioria dos países do Caribe, mais da metade da população do Brasil, 13% da população dos Estados Unidos e uma em cada 10 pessoas no Equador e no Panamá.

“O racismo estrutural pode ser um obstáculo ao acesso à atenção adequada, pode gerar desconfiança nos profissionais de saúde e, em última análise, pode causar piores resultados para pacientes negros em muitos países da Região. A COVID-19 destacou essa dura realidade. No contexto de apelos urgentes por igualdade racial nos Estados Unidos, Brasil e outros países de nossa Região, pedimos às autoridades de saúde que enfrentem este desafio urgente”, enfatizou Etienne.

Casos aumentam quase 30% em novembro

Etienne destacou que só na última semana foram registrados 1,6 milhão de novos casos e 22 mil mortes por COVID-19 na Região. “No mês de novembro, foram notificados mais de seis milhões de novos casos nas Américas, o que implica um aumento de quase 30% em relação aos números registrados no final de outubro”, quando foram notificados 20.477.535 milhões de casos acumulados”, ressaltou. 

“Essa persistência da COVID-19 é o motivo pelo qual devemos agir com rapidez, principalmente nos locais onde o número de casos não foi controlado. E embora seja verdade que estamos nos aproximando de uma vacina eficaz contra a COVID-19, neste momento devemos continuar a contar com as medidas de saúde pública que todos podemos adotar para ajudar a conter surtos anteriores: ficar em casa, praticar o distanciamento físico e usar máscaras”, frisou Etienne.

A diretora da OPAS também considerou essencial que os afrodescendentes em nossa Região tenham os meios necessários para se proteger da pandemia, especialmente os sistemas de proteção e apoio social necessários para cumprir as medidas de saúde pública. “Eles estão entre os trabalhadores essenciais que administram nossos sistemas de saneamento, mantêm nosso transporte público funcionando, cuidam de nossos idosos e dos doentes. Apesar de suas contribuições inestimáveis para a sociedade, devido aos seus empregos, têm dificuldade de trabalharem de casa, praticar o distanciamento social ou tirar férias, portanto, têm maior probabilidade de contrair a infecção e, consequentemente, correr um risco maior de morrer por causa do vírus."

Etienne observou que a OPAS está comemorando hoje seu 118º aniversário: “Depois de nove meses convivendo com a COVID-19 na Região das Américas, os princípios que estavam presentes em nossa fundação continuam fundamentais para o trabalho diário da OPAS no combate à pandemia e, em última instância, abrirá nosso caminho para sair dela. A pandemia é um chamado urgente à ação contra as desigualdades raciais, uma oportunidade para fazermos melhor e cumprir nossa promessa de saúde para todos”.