Instituições da América Latina e do Caribe receberão recursos para apoiar pesquisas voltadas para a eliminação de doenças transmissíveis

27 Dez 2022
Instituições da América Latina e do Caribe receberão subsídios para apoiar a eliminação de doenças transmissíveis

Seis subsídios serão concedidos à Argentina, Brasil, Haiti, México e Peru como parte de uma iniciativa de pesquisa da OPAS e TDR.

Seis instituições da Argentina, Brasil, Haiti, México e Peru receberão recursos financeiros para pesquisa de temas relacionados à tuberculose e outras infecções oportunistas em pessoas com HIV/AIDS avançado, infecções sexualmente transmissíveis e vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV-1), que pode causar um tipo de câncer.

Os subsídios de cerca de 30 mil dólares fazem parte da iniciativa “Pesquisa operacional para apoiar a eliminação de doenças transmissíveis na região da América Latina e Caribe”, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e do TDR (Programa Especial de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais do UNICEF, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Banco Mundial e Organização Mundial da Saúde (OMS)).

"A pesquisa operacional é fundamental para gerar evidências e informações que permitam avançar na eliminação dessas doenças na América Latina e no Caribe", disse Massimo Ghidinelli, diretor interino de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais de Saúde da OPAS. "As subvenções para estas investigações ampliarão nosso conhecimento e fortalecerão a resposta da saúde pública", disse ele.

"Estamos muito satisfeitos em ver estes projetos promissores sendo identificados". Estamos confiantes de que trabalhando com a OPAS e os beneficiados teremos resultados para apoiar a iniciativa de eliminação na região da América Latina e Caribe", afirmou Garry Aslanyan, Gerente de Parcerias e Governança da TDR.

Cerca de 2,5 milhões de pessoas vivem com HIV na América Latina e no Caribe. Estima-se que, na região, 291 mil pessoas contraíram tuberculose em 2020, 10% das quais estavam vivendo com HIV. As infecções sexualmente transmissíveis (DSTs), que são facilmente curáveis, afetam aproximadamente 38 milhões de pessoas entre 15 e 49 anos na região, de acordo com as últimas estimativas da OMS. Enquanto isso, estima-se que entre 5 e 10 milhões de pessoas estejam infectadas com HTLV-1 em todo o mundo.

Instituições e projetos selecionados:

  • UBATEC S.A. - Unidade de Transferência de Tecnologia da Universidade de Buenos Aires, Argentina. Fortalecimento de grupos de trabalho em Saúde e Ciência para otimizar a vigilância do vírus linfotrópico de células T humanas na Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai.
  • Evandro Chagas Instituto Nacional de Infectologia - INI Fundação Oswaldo Cruz, Brasil: Infecções oportunistas por fungos e micobactérias em pacientes com HIV/AIDS: Importância dos métodos rápidos no diagnóstico laboratorial da criptococose, histoplasmose e tuberculose.
  • Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil: Transmissão vertical do vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV): validação do efeito protetor dos inibidores da integrase na transmissibilidade do inóculo lácteo infectado e a importância do fluido oral para diagnóstico.
  • Zanmi Lasante, Haiti: Avaliando a viabilidade de usar agentes comunitários de saúde (CHWs) para conduzir o rastreamento de contatos por meio de testes domiciliares para infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).
  • Instituto Nacional de Doenças Respiratórias Ismael Cosio Villegas, México: Protocolo para a implementação de estudos de diagnóstico rápido de infecções oportunistas em centros de referência na Cidade do México.
  • Universidad Peruana Cayetano Heredia, Peru: Sistemas de notificação para parceiros sexuais para acelerar o tratamento e melhorar o manejo das DSTs.

Os subsídios, destinados a facilitar e fortalecer as pesquisas, poderão ser usados para cobrir o tempo de investigação, a coleta e a análise de dados e outras atividades relacionadas.

As equipes responsáveis pelos projetos selecionados desenvolverão, em coordenação com a OPAS e o TDR, um protocolo para a realização de pesquisa operacional, que será submetido à avaliação de comitês de ética em nível nacional e regional. As atividades de coleta de dados serão então iniciadas. A assistência técnica será fornecida em todas as atividades para garantir a produção de resultados de pesquisa válidos e relevantes e para auxiliar na integração dos resultados no programa, política e/ou sistema de saúde.

As equipes responsáveis pelos projetos selecionados desenvolverão, em coordenação com a OPAS e o TDR, um protocolo para a realização de pesquisa operacional, que será submetido à avaliação de comitês de ética em nível nacional e regional. As atividades de coleta de dados serão então iniciadas. A assistência técnica será fornecida em todas as atividades para garantir a produção de resultados de pesquisa válidos e relevantes e para auxiliar na integração dos resultados no programa, política e/ou sistema de saúde.