Carga global de câncer aumenta em meio à crescente necessidade de serviços

1 Fev 2024
Segurar a mão do paciente
1 Fev 2024

1 de fevereiro de 2024, Lyon, França; Genebra, Suíça - A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou as estimativas mais recentes da carga global de câncer. A OMS também publicou os resultados de uma pesquisa com 115 países, que mostra que a maioria deles não financia adequadamente os serviços prioritários de câncer e cuidados paliativos como parte da cobertura universal de saúde (UHC na sigla em inglês).

As estimativas da IARC, baseadas nas melhores fontes de dados disponíveis nos países em 2022, destacam o crescente ônus do câncer, o impacto desproporcional sobre as populações carentes e a necessidade urgente de abordar as desigualdades do câncer em todo o mundo.

Estima-se que houve 20 milhões de novos casos de câncer e 9,7 milhões de mortes em 2022. O número estimado de pessoas vivas dentro de 5 anos após o diagnóstico de câncer foi de 53,5 milhões. Cerca de 1 em cada 5 pessoas desenvolverá câncer durante a vida; cerca de 1 em cada 9 homens e 1 em cada 12 mulheres morrerão da doença.

A pesquisa global da OMS sobre UHC e câncer mostra que apenas 39% dos países participantes cobriram aspectos básicos do tratamento do câncer como parte de seus serviços básicos de saúde financiados para todos os cidadãos, ou seja, "pacotes de benefícios de saúde". Apenas 28% dos países participantes também cobriam o atendimento a pessoas que precisavam de cuidados paliativos, incluindo o alívio da dor em geral e não apenas a dor relacionada ao câncer.

Três principais tipos de câncer em 2022: câncer de pulmão, mama e colorretal

De acordo com novas estimativas disponíveis no Observatório Mundial do Câncer da IARC, 10 tipos de câncer juntos foram responsáveis por cerca de dois terços dos novos casos e mortes em todo o mundo em 2022. Os dados abrangem 185 países e 36 tipos de câncer.

O câncer de pulmão foi o câncer mais comum em todo o mundo, com 2,5 milhões de novos casos, representando 12,4% de todos os novos casos. O câncer de mama feminino ficou em segundo lugar (2,3 milhões de casos; 11,6%), seguido pelo câncer colorretal (1,9 milhão de casos; 9,6%), câncer de próstata (1,5 milhão de casos; 7,3%) e câncer de estômago (970 mil casos; 4,9%).

O câncer de pulmão foi a principal causa de mortes por câncer (1,8 milhão de mortes, representando 18,7% de todas as mortes por câncer), seguido pelo câncer colorretal (900 mil mortes; 9,3%), câncer de fígado (760 mil mortes; 7,8%), câncer de mama (670 mil mortes; 6,9%) e câncer de estômago (660 mil mortes; 6,8%). O ressurgimento do câncer de pulmão como o tipo mais frequente de câncer de pulmão provavelmente está relacionado à persistência do uso do tabaco na Ásia.

Houve algumas diferenças por sexo na incidência e na mortalidade em relação ao total global para ambos os sexos. Para as mulheres, o câncer mais comumente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer, na grande maiotia dos países (157 de 185), foi o câncer de mama, enquanto para os homens foi o câncer de pulmão.

Nos homens, os cânceres de próstata e colorretal foram o segundo e o terceiro cânceres mais frequentes, enquanto os cânceres de fígado e colorretal foram a segunda e a terceira causas mais frequentes de mortes por câncer. Nas mulheres, os cânceres de pulmão e colorretal foram a segunda e a terceira causas mais comuns de novos casos e mortes.

O câncer do colo do útero foi o oitavo câncer mais comum em todo o mundo e a nona principal causa de morte por câncer, sendo responsável por 661.044 novos casos e 348.186 mortes. É o câncer mais comum em mulheres de 25 países, muitos dos quais estão na África Subsaariana. Mesmo reconhecendo níveis de incidência variáveis, o câncer do colo do útero pode ser eliminado como um problema de saúde pública, por meio da ampliação da Iniciativa de Eliminação do Câncer do Colo do Útero da OMS.

Desigualdade impressionante de câncer por Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

As estimativas globais revelam desigualdades impressionantes na carga de câncer de acordo com o desenvolvimento humano. Isso é particularmente verdadeiro para o câncer de mama. Em países com um IDH muito alto, uma em cada 12 mulheres será diagnosticada com câncer de mama durante a vida e uma em cada 71 mulheres morrerá desse problema. Por outro lado, em países com IDH baixo, enquanto apenas uma em cada 27 mulheres é diagnosticada com câncer de mama ao longo da vida, uma em cada 48 mulheres morrerá desse problema.

"As mulheres de países com IDH mais baixo têm 50% menos probabilidade de serem diagnosticadas com câncer de mama do que as mulheres de países com IDH mais alto, mas correm um risco muito maior de morrer da doença devido ao diagnóstico tardio e ao acesso inadequado a um tratamento de qualidade", explica a Dra. Isabelle Soerjomataram, vice-diretora da Seção de Vigilância do Câncer da IARC.

A pesquisa global da OMS sobre pacotes de benefícios de saúde também revelou desigualdades globais significativas nos serviços de câncer. De acordo com os dados disponíveis, os serviços de câncer de pulmão tinham de 4 a 7 vezes mais probabilidade de serem incluídos em um pacote de benefícios de saúde em um país de alta renda do que em um país de baixa renda. Em média, os serviços de radioterapia tinham quatro vezes mais probabilidade de serem incluídos em um pacote de benefícios de saúde em um país de alta renda do que em um país de baixa renda. A maior disparidade para qualquer serviço foi no transplante de células-tronco, que tinha 12 vezes mais probabilidade de ser incluído em um pacote de benefícios de saúde em um país de alta renda do que em um país de baixa renda.

"A nova pesquisa global da OMS lança luz sobre as grandes desigualdades e a falta de proteção financeira para o câncer em todo o mundo, com populações, especialmente em países de baixa renda, incapazes de acessar os fundamentos do tratamento do câncer", disse o Bente Mikkelsen, diretor do Departamento de Doenças Não Transmissíveis da OMS. "A OMS, inclusive por meio de suas iniciativas contra o câncer, está trabalhando intensamente com mais de 75 governos para desenvolver, financiar e implementar políticas para promover o tratamento do câncer para todos. Para expandir esse trabalho, grandes investimentos são necessários para tratar das desigualdades globais nos resultados do câncer."

Aumento projetado na carga de câncer até 2050

A previsão é de mais de 35 milhões de novos casos de câncer em 2050, um aumento de 77% em relação aos 20 milhões de casos estimados em 2022. O rápido crescimento da carga global de câncer reflete o envelhecimento e o crescimento da população, bem como as mudanças na exposição das pessoas a fatores de risco, vários dos quais estão associados ao desenvolvimento socioeconômico. O tabaco, o álcool e a obesidade são os principais fatores por trás do aumento da incidência de câncer, sendo que a poluição do ar ainda é um dos principais fatores de risco ambiental.

Em termos de ônus absoluto, espera-se que os países com alto IDH apresentem o maior aumento na incidência, com 4,8 milhões de novos casos esperados em 2050 em comparação com as estimativas de 2022. Entretanto, o aumento proporcional na incidência é mais marcante em países com baixo IDH (aumento de 142%) e médio IDH (99%). Prevê-se também que a mortalidade por câncer nesses países quase dobre até 2050.

"O impacto desse aumento não será sentido igualmente em todos os países devido aos diferentes níveis de IDH. Aqueles com menos recursos para administrar a carga de câncer serão os mais afetados", afirma Freddie Bray, chefe da Seção de Vigilância do Câncer da IARC.

"Apesar dos avanços na detecção precoce do câncer, no tratamento e na assistência, há disparidades significativas nos resultados do tratamento do câncer não apenas entre regiões de alta renda e de baixa renda do mundo, mas também dentro dos países. O local onde uma pessoa vive não deve ser um fator determinante. Existem ferramentas que permitem que os governos priorizem o tratamento do câncer e garantam que todos tenham acesso a serviços acessíveis e de qualidade. Não se trata apenas de uma questão de recursos, mas de vontade política", afirma o Cary Adams, diretor da Union for International Cancer Control (UICC).

Nota aos editores

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) é a agência de câncer da Organização Mundial da Saúde. Mais informações: Observatório Global do Câncer da IARC.