OPAS alerta que apenas uma em cada quatro pessoas na América Latina e no Caribe foi totalmente vacinada contra COVID-19

1 set 2021
COVID-19 vaccination in the Americas

Diretora informou que a OPAS está trabalhando para aumentar o suprimento de vacinas por meio de doações, compras por seu Fundo Rotatório e fabricação regional de vacinas

Washington, DC, 1 de setembro de 2021 (OPAS) – A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, alertou que 75% da população da América Latina e do Caribe ainda não foi totalmente vacinada contra a COVID-19 e informou que a OPAS está acelerando sua campanha para expandir o acesso às vacinas em toda a região.

“Três quartos das pessoas na América Latina e no Caribe não foram totalmente imunizadas”, afirmou Etienne durante a coletiva de imprensa semanal da OPAS. “Mais de um terço dos países de nossa região ainda não vacinou 20% de suas populações. E em alguns lugares, a cobertura é muito menor.”

“As taxas de vacinação permanecem entre os adolescentes em vários países do Caribe e da América do Sul e a cobertura ainda é de um dígito em países da América Central como Guatemala, Honduras e Nicarágua”, disse a diretora da OPAS.

No Haiti e na Venezuela, os frágeis sistemas de saúde e os desafios políticos atrasaram ainda mais as imunizações. “Infelizmente, os países com alta cobertura são a exceção em nossa região”, enfatizou.

Etienne afirmou que, no total, 540 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 devem ser administradas para garantir que todos os países da América Latina e do Caribe possam cobrir pelo menos 60% de suas populações. “Portanto, devemos expandir o acesso às vacinas em nossa região, especialmente nos lugares que estão atrasados.”

Em resposta à escassez, a OPAS lançou uma nova campanha para doações. “Estamos trabalhando para chamar a atenção dos países desenvolvidos para a necessidade urgente de doar vacinas para a América Latina e o Caribe”, disse Etienne.

Além disso, a OPAS está usando seu Fundo Rotatório para adquirir vacinas para os Estados Membros. A Organização já recebeu solicitações de 24 países para vacinas contra a COVID-19, que estarão disponíveis no último trimestre deste ano e em 2022.

“Também estamos pensando no futuro e fazendo planos para melhorar significativamente a capacidade regional de fabricação de vacinas”, alegou Etienne. “Na semana passada, lançamos uma nova plataforma que reúne parceiros em torno de uma visão compartilhada de aumentar a produção de vacinas de última geração na América Latina e no Caribe.”

A primeira iniciativa sob a plataforma é facilitar a transferência para a região da tecnologia da vacina de mRNA usada em vacinas contra a COVID-19 altamente eficazes. A OPAS recebeu 32 propostas de empresas privadas e públicas que desejam participar do empreendimento.

Etienne pediu que os países priorizem os mais vulneráveis para a vacinação, como idosos, profissionais de saúde e aqueles que vivem com doenças pré-existentes. Os países devem se certificar de que os sistemas de logística possam absorver as doses das vacinas e as cadeias de frio possam mantê-las resfriadas e que os sistemas de saúde estejam prontos para entregar as doses rapidamente assim que chegarem.

Situação epidemiológica

Enquanto as taxas de vacinação estão baixas na América Latina e no Caribe, muitos países experimentam um rápido aumento da infecção por COVID-19.

No Caribe, Santa Lúcia e Porto Rico estão notificando altas taxas de novas infecções, enquanto a Jamaica está enfrentando o maior número de mortes por COVID-19 de todos os tempos.

“Os surtos estão acelerando em vários países da América Central, especialmente Costa Rica e Belize”, disse Etienne. “Na América do Sul, as infecções geralmente estão diminuindo, com algumas exceções: na Venezuela os casos estão se estabilizando e, no Suriname, a transmissão aumentou por quatro semanas consecutivas”.

No total, mais de 1,6 milhão de novos casos de COVID-19 e pouco menos de 22 mil mortes foram notificados nas Américas na semana passada.

Crise no Haiti

Voltando-se para a crise contínua no Haiti, onde ocorreu um terremoto em 14 de agosto, Etienne relatou que a maioria dos hospitais está sobrecarregada e muitas instalações de saúde foram danificadas. Muitas pessoas feridas em comunidades remotas “ainda estão sem atendimento médico porque não podem chegar a centros de saúde ou hospitais”, disse.

A OPAS distribuiu 27 toneladas de medicamentos, bem como vários especialistas, para apoiar a coordenação de campo, vigilância epidemiológica, coordenação de agrupamento de saúde, projetos de emergência, logística e coordenação de técnicos em emergência médica (EMT). A OPAS também está trabalhando em estreita colaboração com o Ministério da Saúde Pública e População para ajudar a coordenar a ajuda internacional.

“Precisamos de mais profissionais médicos, medicamentos e suprimentos, como drogas anestésicas e suprimentos ortopédicos para os feridos”, disse a diretora da OPAS. “Outra necessidade é o apoio psicossocial para os profissionais de saúde e as pessoas afetadas por este terremoto.”