A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) celebra 120 anos de existência em 25 de maio de 2020. Vinculada ao Ministério da Saúde (MS), é uma das mais destacadas instituições de ciência e tecnologia em saúde da América Latina, reconhecida internacionalmente por sua excelência em pesquisa e desenvolvimento.

O Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (BIREME/OPAS/OMS) reconhece a sua relação histórica de cooperação técnica de longa data com a Fundação, que originou inúmeros eventos, projetos e produtos em gestão da informação e conhecimento, com vários dos seus institutos.

Mais recentemente, em dezembro de 2018, a Fiocruz teve uma participação de destaque no 10° Congresso Regional de Informação de Ciências da Saúde (CRICS10), e na 7° Reunião de Coordenação Regional da BVS (BVS7), caracterizada pelo apoio na realização dos eventos e pela viabilização da participação de vários dos seu profissionais e pesquisadores. A presença contínua de representantes da Fundação em diferentes eventos institucionais e de informação científica e técnica coordenados pela BIREME com suas redes de apoio também é destacada e reconhecida por Diego González, diretor da BIREME.

Merece destaque o Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (ReBEC), uma plataforma virtual em acesso aberto para registro de estudos realizados em seres humanos por pesquisadores brasileiros, lançada em 2010. O ReBEC é um Projeto conjunto do Departamento de Ciência e Tecnologia do MS (DECIT/MS), OPAS/OMS Brasil, BIREME e do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica de Fundação Oswaldo Cruz (ICICT/Fiocruz). Com o ICICT/Fiocruz, a BIREME cooperou para criar o ProQualis em 2009, destinado à produção e disseminação de informação e tecnologia em qualidade e segurança do paciente, que conta com apoio do Ministério da Saúde.

A Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz representa e coordena o nodo Brasil do Campus Virtual de Saúde Pública (CVSP) da OPAS/OMS e compartilha, no âmbito do CVSP e da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), sua coleção de Recursos Educacionais Abertos produzidos pela Rede CVSP-Brasil, composta por 21 institutos da Fiocruz e por instituições da Rede UNA-SUS. Ademais, a Fiocruz é membro do Conselho Consultivo da EVIPNet Brasil e do Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa; a Editora Fiocruz participa do projeto SciELO Livros e foi membro do Núcleo Executivo da BVS RIPSA.

A Fundação coordena e apoia 16 Bibliotecas Virtuais em Saúde (BVS) no Brasil, além de apoiar a rede de BVS nos países da Região, bem como o desenvolvimento de projetos, produtos, serviços e eventos de informação científica e técnica e contribuiu com a Rede ePORTUGUESe, enquanto esteve ativa. A Fiocruz é membro do Comitê Executivo da BVS Brasil.

castelo fiocruz

A Fiocruz é responsável pela publicação de livros, por meio da Editora Fiocruz, e inúmeros materiais científicos e técnicos como revistas (publicações institucionais) e boletins. A Fundação edita sete periódicos científicos renomados nacional e internacionalmente: (1) Cadernos de Saúde Pública; (2) História, Saúde, Manguinhos; (3) Memórias do Instituto Oswaldo Cruz (completa 111 anos em 2020); (4) Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde; (5) Revista Fitos; (6) Trabalho, Educação e Saúde; e (7) Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência e Tecnologia. De forma pioneira, promove práticas de ciência aberta ao criar repositórios de dados abertos, estimular a publicação de preprints e promover o acesso aberto ao conhecimento.

Considerando sua excelência técnica, cinco instituições da Fiocruz foram designadas Centros Colaboradores da OPAS/OMS: (1) World Health Organization Collaborating Center (WHO CC) for Leptospirosis, Laboratório de Referência Nacional em Leptospirose do Instituto Oswaldo Cruz; (2) WHO CC on Environmental and Public Health, Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde; (3) WHO CC for Pharmaceutical Policies. Departamento de Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica da Escola Nacional de Saúde Pública; (4) WHO CC for Global Health and South-South Collaboration, Centro de Relações Internacionais em Saúde; e (5) WHO CC for Education of Health Technicians, Escola Politécnica de Saúde Pública Joaquim Venâncio.

Na atual pandemia de Covid-19, o Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz da Fiocruz foi formalizado como referência para a doença, juntamente com os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos. A Fiocruz também atende à solicitação do Ministério da Saúde para apoiar no diagnóstico da doença, implantando Unidades de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19, o que permitirá atender à demanda pelos testes no país. Ademais, inúmeros pesquisadores da Fundação estão debruçados a estudar os diversos aspectos do vírus Sars-CoV-2 e a doença que provoca.

A Fiocruz é presidida pela Doutora em Sociologia Nísia Trindade Lima, a primeira mulher a ocupar esta posição em 120 anos. Nísia, que ingressou como Diretora e Administradora da Casa de Oswaldo Cruz em 1991, fornece um olhar sobre a trajetória da centenária Fundação em recente entrevista à revista Ciência Hoje. “Que a minha posição na presidência não sirva só como um exemplo, mas como um motor de reduzir essa iniquidade” afirma Nísia, ao se referir à exposição mais evidente pela Covid-19 das iniquidades sociais e de saúde existentes no Brasil. Em que pese o desenvolvimento científico e tecnológico no combate à pandemia, visões como a da presidente da Fiocruz são as que nos permitirão emergir da crise como uma sociedade mais saudável, justa e equitativa.